Termelétricas poderão ser usadas em modelo do setor elétrico

O novo modelo do setor elétrico deverá prever o uso contínuo de grande parte das termelétricas instaladas, mesmo das que foram construídas para serem usadas apenas eventualmente, como uma fonte de reserva em épocas de estiagem prolongada. A proposta foi apresentada ao governo pelo Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP) e, segundo o presidente da entidade, João Carlos de Luca, estaria sendo acolhida pelo Ministério de Minas e Energia. A informação foi dada por ele durante a audiência pública sobre "Gás Natural e a Geração termoelétrica", promovida pela Comissão de Infra-Estrutura do Senado. "Ao que sabemos, o Ministério está contemplando (a proposta) no novo modelo, com um despacho mínimo", disse o executivo. A secretária de Petróleo e Gás do Ministério, Maria das Graças Silva Foster, também presente ao debate, esquivou-se do assunto. "Não vou comentar sobre novo modelo, isso é apenas uma proposta", alegou. Esse desejo de que haja incentivo à criação de um mercado para o gás natural, no entanto, coincide com os planos da equipe econômica, que quer a diversificação da matriz energética do País. E está recebendo apoio de parlamentares", afirmou. O senador Delcício Amaral (PT-MS) disse que a "bancada do gás" já tem muitos senadores e lutará para viabilizar a criação do mercado para o produto. "É absolutamente fundamental que as térmicas a gás natural funcionem de forma flexível com um ?take or pay? de 40%", apoiou Amaral. Segundo ele, esse tema vai pautar o debate, não apenas da política para o gás natural, como também a discussão do novo modelo do setor elétrico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.