Vitor Jubini/Estadão - 26/11/2021
Vitor Jubini/Estadão - 26/11/2021

Terminais portuários deverão pedir revisão de contratos e investimentos com fim do Reporto

Benefício fiscal, que suspende a cobrança de IPI, PIS/Cofins e do Imposto de Importação na compra de máquinas e equipamentos, foi vetado por Bolsonaro durante a sanção do projeto BR do Mar

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2022 | 05h00
Atualizado 13 de janeiro de 2022 | 11h02

BRASÍLIA - O setor portuário prevê uma onda de pedidos de reequilíbrio de contratos caso o benefício fiscal conhecido como Reporto não seja retomado. A apreensão se deve ao movimento do presidente Jair Bolsonaro, que vetou a reativação do incentivo dentro do projeto BR do Mar, sancionado na semana passada.

Responsável por suspender a cobrança do IPI, do PIS/Cofins e do Imposto de Importação na compra de máquinas, equipamentos e outros bens no segmento portuário e de ferrovias, o Reporto barateava o custo de investimentos realizados pelos operadores. Sem ele, os desembolsos ficam mais caros, o que pode até impedir que parte dos investimentos planejados seja executada no setor.

A estimativa é de que a descontinuidade do regime a partir de 2022 vai representar uma tributação que pode, em alguns casos, chegar a 42% na compra de equipamentos portuários.

"A solução para o Brasil não é equilibrar contratos, mas fazer investimentos. O reequilíbrio significa talvez minimizar o prejuízo, mas para o negócio é péssimo porque nós queremos as condições para fazer os investimentos", afirmou ao Estadão/Broadcast o presidente da Associação Brasileira dos Terminais Portuários (ABTP), Jesualdo Conceição da Silva. Apesar de não ser a solução buscada pelo setor, Silva afirmou que os reequilíbrios precisarão acontecer em boa parte dos contratos caso o Congresso mantenha a decisão do presidente.

O presidente da ABTP, por sua vez, se mostrou otimista com o desfecho do assunto no Parlamento. Para ele, o Congresso entendeu que, conforme avaliação dos operadores, o fim do Reporto seria um "golpe" no comércio internacional brasileiro, devido à relevância dos portos para a entrada e saída de produtos. "Acredito que o problema será sanado", afirmou Silva, segundo quem os operadores continuarão buscando o retorno do regime especial se o veto não for derrubado.

Investimentos

Em razão da ausência do Reporto, que não é aplicado desde o ano passado, mais de R$ 2 bilhões programados para investimentos estão parados no setor portuário, que aguarda um desfecho para avançar com os desembolsos, relatou Silva. Há pelo menos dois anos o mercado convive com a expectativa de renovação do incentivo, frustrada com o veto de Bolsonaro.

O reequilíbrio dos contratos será necessário se não houver a revisão do veto porque esses negócios, fechados entre o governo federal e empresas privadas, foram fechados com a previsão do Reporto, que vigorava desde 2004. Por isso, a partir do momento que investimentos obrigatórios se tornam mais caros, o poder público precisaria recompor os contratos, questão que é analisada caso a caso pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). As associadas da ABTP mantêm mais de 230 terminais portuários pelo Brasil.

O impacto não seria sentido apenas nos investimentos obrigatórios, uma vez que vários terminais desembolsam além da previsão obrigatória para melhorar a capacidade do atendimento, disse Silva. Para ele, portanto, a descontinuidade do Reporto deve afetar principalmente os contratos assinados recentemente, aqueles com prorrogação antecipada e os que ainda têm investimentos sendo contratados agora ou futuramente.

O reequilíbrio poderá acontecer via extensão do prazo do contrato ou redução de investimentos, por exemplo. "No mínimo vai haver atraso nos investimentos. Alguns deixam de ser feitos, e outros necessários sofrerão muito atraso", afirmou.

Apesar de contar com o apoio do Ministério da Infraestrutura, o Reporto foi barrado por orientação do Ministério da Economia, sob argumento de que a renovação do benefício configuraria renúncia de receita sem compensação. Para o presidente da ABTP, a pasta se apegou a uma formalidade para impor uma visão ideológica, de avançar com a reforma tributária, limpando incentivos fiscais do sistema atual. "O setor entende que precisa, sim, de uma reforma tributária. Só que ela ainda não saiu", disse Silva.

Procurado, o Ministério da Infraestrutura alegou que o veto à renovação do Reporto não implica na necessidade de reequilíbrios contratuais "ou em fatos potencialmente ensejadores de desequilíbrios". Segundo a pasta, os pedidos de recomposição, se forem feitos, serão analisados caso a caso, onde será avaliado, por exemplo, se o benefício chegou a ser considerado no fluxo de caixa do terminal. "Caso ocorram os pedidos, eles serão analisados caso a caso, levando em consideração elementos diversos e particulares de cada contrato, como o momento da realização dos investimentos ou, em contratos mais antigos, se o benefício chegou a ser considerado no fluxo de caixa", afirmou. Já a Antaq respondeu que apenas se posiciona sobre pleitos de reequilíbrio econômico financeiro nos casos concretos, mediante deliberação da Diretoria Colegiada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.