Termoelétricas contribuíram para alta de tarifas da Copel

O acionamento de usinas termoelétricas, desde o fim do ano passado, para economizar água nos reservatórios das hidrelétricas pesou no reajuste de tarifas da Companhia Paranaense de Energia (Copel). A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou hoje um aumento médio de 0,04% nas tarifas cobradas pela empresa. A energia das térmicas custa mais caro que a das hidrelétricas. Assim, se por um lado ligar as térmicas é uma medida para dar segurança ao sistema, por outro, gera impacto nas tarifas. Segundo técnicos da Aneel, o uso das termoelétricas gerou uma conta de R$ 61,39 milhões a ser paga com recursos do Encargo de Serviços do Sistema (ESS), que existe justamente para garantir a segurança do fornecimento de energia. Entre os porcentuais, explicaram os técnicos da Aneel, isso teve um impacto de 1,2 ponto porcentual no reajuste da Copel. Assim, se não fossem as termoelétricas, a correção das tarifas passaria de um aumento de 0,04%, na média, para uma queda de 1,2%.CocelA Aneel também aprovou uma redução de 10,91% a ser aplicada amanhã nas tarifas da Companhia Campolarguense de Energia (Cocel), que abastece 32 mil consumidores no município de Campo Largo (PR).

LEONARDO GOY, Agencia Estado

23 de junho de 2008 | 13h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.