'Termômetro Broad' mostra piora na avaliação da Fazenda

Notas médias do mercado sobre a atuação do Ministério da Fazenda tiveram novo recuo em agosto

O Estado de S.Paulo

03 Setembro 2015 | 02h02

A exemplo dos últimos meses, as notas médias do mercado sobre a atuação do Ministério da Fazenda continuaram piorando em agosto, mostra o Termômetro Broad, levantamento da Agência Estado com analistas de mercado. As avaliações foram realizadas em meio ao aumento do pessimismo sobre a capacidade de o governo continuar avançando no ajuste fiscal, após o envio do projeto orçamentário de 2016 ao Congresso com a previsão de um déficit de R$ 30,5 bilhões. A proposta reforçou a sensação de que a perda do grau de investimento do País é uma questão de tempo.

Também registraram queda boa parte das notas concedidas ao Banco Central, com melhora apenas na parte da Comunicação. No mês passado, a pesquisa contou com a participação de 54 instituições que responderam ao questionário entre os dias 24 e 31.

As notas da Fazenda mostraram deterioração mais acentuada do que as do BC. A nota média geral do Ministério da Fazenda caiu de 4,6 para 4,0 entre julho e agosto. A média da Política Fiscal ficou em 3,4, de 4,1 em julho, e a da Comunicação passou de 4,1 para 3,7. Com isso, as notas renovaram os patamares mais baixos do ano.

Nas notas do BC, a média geral recuou de 5,2 em julho para 5,0 em agosto. A nota para Política Monetária foi para 5,1, de 5,6 em julho. Na contramão, houve melhora na nota para a Comunicação, de 4,5 para 4,8.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
4,0 é a atual nota média do Ministério da Fazenda, que em julho estava 4,6. A média da Política Fiscal caiu de 4,1 para 3,4
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Nos últimos dez dias de agosto, uma série de eventos negativos, no Brasil e no exterior, aumentou a aversão ao risco do mercado, levando à disparada do dólar e ao tombo da Bovespa. No front local, o mercado coloca nos preços dos ativos a percepção de que o governo está sucumbindo à crise e que o leque de instrumentos da Fazenda para convencer o Congresso sobre a necessidade do aperto fiscal está prestes a se esgotar.

Nesse contexto, cresceu a percepção de que o ministro Joaquim Levy pode até deixar o ministério, dada a sua suposta frustração com o andamento do ajuste econômico e conflito de opiniões com o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa.

O Termômetro Broad é produzido mensalmente pelos profissionais do AE Dados com bancos, corretoras, consultorias, gestoras de recursos, instituições de ensino, departamentos econômicos de empresas e outros com histórico de realização periódica de projeções de indicadores econômicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.