Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Termômetro Broadcast Bolsa: Mercado mostra maior otimismo na semana para Bolsa

Entre 13 participantes da pesquisa, 69,23% indicaram que o Ibovespa terá valorização; na agenda doméstica, a próxima semana terá como destaques o resultado do IPCA de novembro, na terça-feira, 8, e a última reunião do ano do Copom

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2020 | 21h00

A expectativa de alta para o Ibovespa no período entre 7 e 11 de dezembro avançou no Termômetro Broadcast Bolsa, que tem como objetivo captar o sentimento de profissionais de mercado para o comportamento do índice na semana seguinte.

Entre 13 participantes da pesquisa, 69,23% indicaram que o índice terá valorização ante 66,67% na semana passada. Mas a maior diferença é que nenhum dos participantes espera queda do Ibovespa para os próximos dias, enquanto 16,67% deles apontaram essa tendência no levantamento anterior - o que não se confirmou, já que a Bolsa brasileira subiu 2,87% no período. No Termômetro atual, 30,77% dos participantes afirmaram esperar variação em torno da estabilidade, quase o dobro do porcentual da semana passada (16,67%).

Na agenda doméstica, a próxima semana terá como destaques o resultado do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de novembro, na terça-feira, 8, e a última reunião do ano do Comitê de Política Monetária (Copom)

Os agentes de mercado esperam uma aceleração do índice oficial de inflação em relação à taxa de 3,92% apurados em 12 meses até outubro. Ao mesmo tempo, aguardam, além da manutenção da taxa Selic nos atuais 2% ao ano, que o teor do comunicado do comitê se mantenha semelhante aos anteriores. A semana reserva ainda indicadores como a safra agrícola de novembro e as vendas no varejo e o volume de serviços de outubro.

No exterior, as atenções seguirão voltadas ao noticiário em torno da covid-19 e à expectativa de acordo para um pacote de estímulos econômicos nos Estados Unidos.

Além disso, na quinta-feira, 10, ocorre a reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que pode decidir por conceder novos estímulos monetários na zona do euro para enfrentar os efeitos da pandemia do coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.