Suamy Beydoun/Agif
Suamy Beydoun/Agif

Termômetro Broadcast Bolsa: percepção de alta para Ibovespa vai ao pico em 2 meses

A semana mais curta para o mercado doméstico é de agenda pesada

Beth Moreira, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2019 | 05h00

A previsão de ganhos para o Ibovespa na próxima semana ganhou força no Termômetro Broadcast Bolsa em relação à pesquisa anterior, atingindo o maior patamar desde a semana entre 8 e 12 de abril, quando a percepção positiva para o índice atingiu 75% do universo das respostas. A pesquisa tem por objetivo captar o sentimento de operadores, analistas e gestores para o comportamento do Ibovespa na semana seguinte. 

No levantamento atual, com 31 participantes, 67,74% disseram que a expectativa é de alta e 12,90%, de queda. A estimativa é de estabilidade para 19,35%. Na última pesquisa, 60,71% esperavam que a semana seria de avanço para as ações; 14,29%, de perdas; e 25,00%, de estabilidade. A Bolsa subiu 0,22% na semana.

Leia Também

O dilema do Copom

O dilema do Copom

A semana mais curta para o mercado doméstico, em função do feriado de Corpus Christi na quinta-feira, é de agenda pesada, com reuniões de política monetária em vários países, com destaque para as do Brasil e nos Estados Unidos, ambas na quarta-feira (19). O Comitê de Política Monetária (Copom) anunciará sua decisão sobre a Selic, num momento em que cresce a pressão do mercado financeiro por um recuo no atual patamar de 6,50%. Nos Departamentos Econômicos, há consenso em relação à manutenção da taxa, uma vez que os economistas acreditam que primeiramente os diretores farão ajuste na sua comunicação para, assim, preparar o terreno para começar a reduzir a Selic só em julho.

Nos Estados Unidos, do mesmo modo, é crescente a avaliação de que o Federal Reserve (banco central americano) iniciará um ciclo de afrouxamento de juros este ano, mas não agora. Também é consenso de que nesta reunião a taxa será mantida, na faixa entre 2,25% e 2,50%. Na quinta-feira, é a vez do Banco da Inglaterra e do Banco do Japão anunciarem suas decisões de política monetária. 

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.