Terrorismo cria novas dificuldades para comércio internacional

O terrorismo começa a criar novas dificuldades para o comércio internacional. A avaliação é da Organização das Nações Unidas (ONU), que conclui que os impactos do terrorismo sobre o fluxo de bens pelo mundo podem transformar a maneira pela qual os países exportam e importam. Segundo a análise obtida pela Agência Estado, os custos econômicos sobre o comércio deverão ser elevados diante dos novos dispositivos de segurança que serão adotados pelas grandes potências e os mais afetados podem ser os países em desenvolvimento. O temor de muitos governos é de que o transporte marítimo seja usado como meio para novos ataques terroristas. Segundo a ONU, 200 milhões de containers são transportados pelos portos do mundo, um volume que terá que ser examinado com mais atenção de agora em diante. A estratégia, portanto, é retirar o controle dos portos de destino dessas cargas e aplicá-lo nos países de onde as cargas estejam sendo exportadas. Já em julho, deverá ser adotado o Código Internacional de Segurança de Navios e Portos, o que exigirá a ceritificação de 56 mil embarcações 20 mil portos e o treinamento de 75 mil funcionários. O que não está claro é quem pagará por toda essa mudança no comércio mundial. A ONU alerta que os mais afetados podem ser os países em desenvolvimento, que nem sempre terão a capacidade tecnológica ou o treinamento para garantir que as cargas sejam devidamente monitoradas antes de sairem em direção aos países ricos.

Agencia Estado,

15 Março 2004 | 06h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.