Tesouro: alta da Selic não muda estratégia do PAF

O secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, afirmou hoje que a elevação de 0,5 ponto porcentual na taxa básica de juros, a Selic, para 11,75% ao ano, promovida ontem à noite pelo Comitê de Política Monetária (Copom), não muda a estratégia da instituição em relação à dívida pública, prevista no Plano Anual de Financiamento (PAF). Ele afirmou que o Tesouro continua buscando aumentar a participação dos papéis prefixados e também de atrelados a índices de preços, estratégia que levou à redução da parcela vinculada à Selic nos últimos anos para 31,8% da dívida. "Vamos seguir no nosso plano", disse Augustin, destacando que a melhora no perfil da dívida reduz o impacto da alta da Selic no estoque de endividamento público. Augustin também descartou uma elevação do superávit primário (economia que o governo faz para pagamento de juros da dívida) e uma redução nos investimentos como forma de responder à alta nos juros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.