Tesouro começa a coletar dados na Europa para emissão

O Tesouro Nacional iniciará, a partir de quarta-feira, 26, um road show pela Europa para avaliar as condições de mercado e também coletar informações para futuras emissões externas. Segundo o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública do Tesouro Nacional, Fernando Garrido, não está decido ainda se o Tesouro fará emissão em euros. Essa possibilidade foi incluída no Plano Anual de Financiamento (PAF) deste ano.

RENATA VERÍSSIMO E ADRIANA FERNANDES, Agencia Estado

25 de fevereiro de 2014 | 17h17

As reuniões com investidores europeus vão ocorrer na Alemanha, Holanda, França e Inglaterra. A série de encontros, que ocorrerão de quarta-feira a sexta-feira desta semana, foi organizada pelo Banco do Brasil, Santander e JP Morgan.

"Existem diferentes categorias de encontro com investidores. Não é objetivando uma emissão específica, mas para discutir as condições de mercado", disse Garrido, que pouco antes havia confirmando que, no encontro, haveria coleta de informações para eventual emissão externa em euros.

Garrido avaliou ainda que o estoque recorde de títulos da dívida interna nas mãos dos investidores estrangeiros, alcançado em janeiro, mostra uma confiança na capacidade de pagamento brasileira. Ele ressaltou que houve aumento do estoque, apesar das notícias de que haveria fuga de dólares dos países emergentes.

De acordo com Garrido, a avaliação do órgão é que o anúncio da meta fiscal de 2014 foi muito bem-recebido pelo mercado e contribuiu para aumentar a confiança do investidor no Brasil. Segundo ele, desde o anúncio, na semana passada, as taxas dos títulos negociados no mercado secundário tiveram um impacto positivo.

Tesouro Direto

Garrido informou que o programa Tesouro Direto, que oferece títulos para pessoas físicas, registrou emissão e estoque recordes em janeiro. As emissões do Tesouro Direto atingiram R$ 665,92 milhões, enquanto os resgates somaram R$ 622,98 milhões, o que resultou em emissão líquida de R$ 42,94 milhões. O estoque alcançou R$ 11,546 bilhões, alta de 1,37% em relação a dezembro de 2013.

Garrido atribuiu o recorde à reaplicação dos resgates programados no próprio Tesouro Direto e ao número expressivo de cadastros de novos investidores. O programa recebeu o cadastro de 5.427 novos participantes, fazendo que houvesse um aumento de 14,78% no total de investidores que participam do Tesouro Direto.

"Isso mostra que, ao ficar mais conhecido, o Tesouro Direto representa uma opção bastante atraente para a população. As elevadas taxas do Tesouro Direto são uma oportunidade muito boa de investimento e têm sido reconhecidas pelos investidores", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
dívidatesouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.