Tesouro comemora sucesso do leilão de títulos pré-fixados

Pela primeira vez desde abril do ano passado, o Tesouro Nacional vendeu hoje um lote de 500 mil títulos com correção prefixada, as Letras do Tesouro Nacional (LTN). Apesar do volume pequeno, a venda tem significado especial para o Tesouro, que considera as LTNs o melhor título para a administração da dívida pública. O Tesouro interrompeu a oferta dos pré-fixados no ano passado por causa da instabilidade no mercado financeiro. ?O leilão foi um sucesso?, disse o secretário-adjunto do Tesouro, José Antônio Gragnani.Para ele, o leilão refletiu a confiança que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva está passando para a sociedade e os investidores. Segundo Gragnani, a demanda pelas LTNs, com prazo de vencimento em outubro, foi forte por parte dos investidores. Com o resultado, Gragnani disse que a intenção do Tesouro Nacional é voltar a ofertar esse papel no próximo leilão.Gragnani disse que, mesmo com o mercado ainda instável, o papel pré-fixado é melhor para o perfil da dívida pública. Na sua avaliação, o título pré-fixado ?ajuda na política monetária mais austera?. Como a taxa a ser paga pelo Tesouro é definida na hora do leilão, não há risco para o Tesouro caso a taxa de juros sofra uma alta pelo Banco Central antes do vencimento do papel. Por isso, em momentos de alta turbulência na economia e volatilidade nos mercados, o custo dos pré-fixados sobe muito e o Tesouro acaba preferindo não ofertá-los.O secretário-adjunto destacou ainda que a forte demanda dos investidores pelo lote de Letras Financeiras do Tesouro (LFTs títulos corrigidos pela taxa Selic) com prazos mais longos também ofertados hoje. O Tesouro vendeu 3,5 milhões de LFTs com três prazos de vencimentos diferentes: setembro e dezembro de 2003 e maio de 2004.A venda das LFTs garantiu R$ 5,4 bilhões para o Tesouro. Segundo Gragnani, a procura foi maior pelos papéis mais longos, que corresponderam a 67% do total de títulos vendidos. A procura pelos papéis com vencimento em maio de 2004 significa segurança por parte dos investidores, disse o secretário. ?Está existindo agora uma tranquilidade para se alongar o prazo?, afirmou.Os preços também caíram. As LFTs com vencimento em setembro, que foram vendidas hoje com deságio de 0,08% ao ano, tiveram deságio de 0,21% no leilão da semana passada. O papel com vencimento em dezembro, no leilão da semana passada, foram vendidos com deságio de 0,45%, caindo hoje para 0,35%. A LFT com vencimento em maio também saiu mais barata. Na semana passada, teve deságio de 0,90% e, agora, de 0,85%.O secretário do Tesouro Nacional, Joaquim Levy, afirmou que a taxa média pedida pelo mercado no leilão de LTN ficou dentro do esperado. ?O importante é termos mais demanda para que a taxa de juros da dívida possa cair. Ainda temos muito trabalho para fazer para que a taxa de juros fique dentro do que o Tesouro espera e que o preço de colocação dos papéis seja competitivo e bom para o Tesouro?, afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.