Tesouro Direto bate a marca dos 100 mil

Resistência de bancos limita ritmo de venda de papéis do governo

Rita Tavares, O Estadao de S.Paulo

05 de dezembro de 2007 | 00h00

O Tesouro Direto atingiu a marca de 100 mil investidores cadastrados. A Secretaria do Tesouro Nacional anunciará esse resultado nos próximos dias, ao divulgar o balanço de negócios de novembro. Por trás desse desempenho, estão pequenos investidores que buscam uma alternativa de investimento em renda fixa que remunere melhor que os fundos DI, de renda fixa e de curto prazo. Como o juro médio em 2007 está em 12%, os fundos de renda fixa terão retorno igual ou maior que o da poupança apenas se cobrarem taxa de administração abaixo de 3% ao ano. Mas muitos fundos que exigem aplicação inicial baixa (os mais acessíveis) cobram 4% ou mais. No Tesouro Direto, o investidor paga em média taxa de 0,80% - tanto quem aplica o valor mínimo de R$ 120,00 ou o máximo mensal de R$ 400 mil. ''''Nada contra a indústria de fundos, mas é um absurdo cobrar uma taxa de administração de 3% ou 4% para um fundo DI'''', diz o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Paulo Valle. ''''Quem cobra uma taxa dessas tem de agregar valor ao fundo e não apenas comprar um título.'''' A carteira dos fundos DI é formada por Letras Financeiras do Tesouro (LFTs) - títulos que podem ser comprados pelo Tesouro Direto.No momento, Valle discute mudanças para aumentar as vendas do Tesouro Direto, criado em 2002. Nos últimos 12 meses até outubro, houve um aumento de 40% do número de cadastrados. Em outubro, o volume foi de R$ 58 milhões, com 64% das vendas para pequenos investidores (até R$ 5 mil).O maior agente de vendas é o Banco do Brasil, com 42% das operações. Em seguida, vem a Caixa Econômica Federal, com 12%. Quem pretende ampliar os negócios no Tesouro Direto são as corretoras, que propõem ao Tesouro Nacional pequenas mudanças no funcionamento do produto. Querem, por exemplo, autorização para recomprar títulos diariamente, para aumentar a liquidez dos negócios, já que o Tesouro faz apenas uma recompra semanal.Os maiores bancos privados nacionais, Bradesco e Itaú, dificultam o acesso ao Tesouro Direto. Demoraram a oferecer o produto e, agora, cobram taxa de 4% ao ano mais R$ 25,00 por operação. ''''É um exagero'''', critica Valle, já que a taxa média é de 0,40% (acrescida de mais 0,40% de custódia feita pela CBLC). ''''Os bancos temem perder clientes de fundos'''', comenta. No início de 2008, o Tesouro deve iniciar a publicação de um ranking com taxas de todas instituições para aumentar a transparência.''''Nosso objetivo é dar o maior número possível de informações ao investidor'''', explica Valle. O investidor pode esperar também a queda da taxa fixa da CBLC, que é a mesma desde 2002, quando os juros básicos estavam em 19% ao ano, comparados com os 11,25% atuais. ''''Nossa intenção é que este não seja um custo fixo, mas que acompanhe o crescimento do Tesouro Direto'''', afirma.O simulador do site do Tesouro Direto possibilita a conferência do impacto da taxa na aplicação. Se o investidor tivesse aplicado em novembro R$ 5 mil em uma NTN-B com vencimento em maio de 2015, com taxa de 0,40%, o valor líquido a ser resgatado seria de R$ 10.177,09. Coma uma taxa de 4%, o valor de resgate cairia para R$ 9.010,30. Uma diferença de R$ 1.166,79. O gerente-executivo do Banco do Brasil (taxa de 0,50%), Carlos Antonio Decezaro, explica que não perde clientes para o Tesouro Direto. ''''É uma alternativa de investimento'''', diz. Segundo ele, 67% dos clientes que têm títulos investem em fundos de investimento do banco e 55% têm poupança. Para ele, a possibilidade de usar a mesma senha do banco no Tesouro Direto facilita os negócios. O Tesouro discute com outros bancos a adoção desse sistema.''''O investidor mais jovem está aderindo com mais rapidez ao Tesouro Direto'''', diz Valle. Um levantamento do Tesouro Nacional aponta que 60% dos cadastrados têm entre 20 e 40 anos - a maior fatia tem até 30 anos. O Sudeste reúne 70% dos cadastrados. A maioria tem curso superior, com engenheiros encabeçando a lista das profissões. Os homens são 81%.O estoque total do Tesouro Direto, que representa os títulos públicos em poder dos investidores, era de R$ 1,4 bilhão em outubro - aumento de 34% em relação a outubro de 2006. Desse total, 67% são aplicações de investidores que têm até R$ 5 mil, sendo que 28% dos aplicadores tem no máximo R$ 1 mil. NÚMEROSR$ 58 milhõesfoi o volume financeiro de títulos públicos negociados por meio doTesouro Direto em outubroR$ 1,4 bilhãoera o estoque em outubro de títulos públicos em poder dos investidores que fizeram acompra por meio do Tesouro DiretoR$ 400 mil é o valor máximo da compra mensal de títulos públicos por meio do Tesouro Direto; ovalor mínimo mensal para cada investidor é de R$ 120

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.