Tesouro diz que não manterá estímulo fiscal desnecessário

Secretário afirma que recuperação de setores beneficiados pode ser referência para encerrar fase de ajuda

Célia Froufe, da Agência Estado,

23 de dezembro de 2009 | 16h28

O secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, afirmou há pouco que o governo não manterá estímulos econômicos fiscais que não sejam mais necessários, mas também que não fará uma retirada brusca para evitar cometer erros.

 

"O segredo é ter uma saída de estímulo fiscal que não faça o movimento em W", considerou em relação ao símbolo usado para uma retomada econômica que não é consistente e que acaba por voltar a definhar. "O Brasil terá uma saída em V e, para isso, é preciso tirar os estímulos paulatinamente para que não se erre", garantiu.

 

Indagado a respeito de quais serão as referências usadas pelo governo para decidir se retira ou não um estímulo já concedido, Augustin citou que alguns sinais são a recuperação e a continuidade do crescimento de setores já beneficiados com isenção ou redução de impostos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.