bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Tesouro dos EUA vê sinais de retomada dos investimentos

O secretário do Tesouro dos EUA Paul O´Neill, afirmou hoje que "há sinais de que os investimentos das empresas, até agora o ingrediente que faltava para a recuperação, estão crescendo". Falando em uma reunião com voluntários do Tesouro, O´Neill disse que a flexibilidade tem sido a chave para a prosperidade dos EUA. "Os fundamentos de nossa economia continuam fortes".O secretário reafirmou a previsão de que o PIB dos EUA deverá alcançar, no fim deste ano, uma taxa de crescimento de 3% a 3,5%. Ele destacou os ganhos contínuos da produtividade e a melhoria no mercado de mão-de-obra. "O desemprego caiu a 5,8% no mês passado e o número de novos empregos cresceu pelo segundo mês consecutivo. Em nossa economia, nada é mais importante para o presidente Bush do que manter a América trabalhando. A melhoria do mês passado é bem-vinda, mas eu acredito que podemos fazer muito melhor", disse O´Neill.O secretário afirmou ainda que os EUA têm se beneficiado da disposição para lidar com imperfeições no sistema financeiro e promover melhorias quando possível. Ele disse que o sistema está longe de não ter falhas, mas tem uma adaptabilidade maior do que os de outros países, tanto no âmbito das empresas como no do governo. "Sabemos que nosso sistema não é perfeito, mas promovemos mudanças contínuas e reagimos para torná-lo melhor. Se vocês olharem para outras economias, esse é o ingrediente que lhes falta".O´Neill afirmou ainda que eventos recentes colocaram em destaque a necessidade de tornar as empresas norte-americanas mais transparentes e de fazê-las prestar contas aos investidores. Ele endossou o plano de três pontos anunciado por Bush para tratar do problema. "Está claro que precisamos ajustar nosso sistema, e é isso que o plano do presidente pretende fazer. O plano do presidente tem três bases: responsabilizar os altos funcionários das empresas, assegurar informações melhores para os investidores e melhorar nosso sistema de contabilidade e auditoria", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.