Tesouro inicia amanhã venda de títulos pela Internet

O Tesouro Nacional inicia nesta segunda-feira a venda de títulos públicos pela Internet. Por meio do Programa Tesouro Direto (PTD), qualquer pessoa poderá aplicar de R$ 200,00 a R$ 200 mil por mês em papéis federais. O objetivo do programa é incentivar a poupança de longo prazo no País, além de ampliar a base de investidores em títulos públicos federais. O governo ainda não tem idéia do universo de pessoas que poderá atrair para financiar as despesas do Tesouro, um trabalho que hoje é feito basicamente por instituições financeiras. Mas quer conquistar até os tradicionais aplicadores das cadernetas de poupança e dos fundos de renda fixa.Quem quiser aplicar deve fazer um cadastro na página do Tesouro na Internet (www.tesouro.fazenda.gov.br) para receber uma senha. O cadastramento foi aberto no dia 26 de dezembro do ano passado. Com esse registro, o aplicador poderá escolher o título a ser adquirido. O Tesouro estará oferecendo papéis com correção pré e pós-fixada, além de um título com correção atrelada à variação do IGP-M. Títulos corrigidos pela variação cambial não serão negociados. As compras poderão ser feitas 24 horas por dia.Segundo o secretário-adjunto do Tesouro, Rubens Sardenberg, estarão sendo oferecidos aos investidores, inicialmente, três tipos de papéis, com datas de vencimento que vão de seis meses a 31 anos. Os papéis mais curtos são as Letras do Tesouro Nacional (LTN), títulos com correção prefixada, que terão vencimentos em 5 de junho de 2002 e em 2 de abril de 2003. As Letras Financeiras do Tesouro (LFT), títulos com correção pós-fixada, serão oferecidas com quatro opções de vencimento: 21 de janeiro de 2004, 16 de fevereiro de 2005, 18 de janeiro de 2006 e 17 de janeiro de 2007. Os papéis com vencimentos mais longos serão as Notas do Tesouro Nacional série C (NTN-C), que tem rendimento atrelado à variação do IGP-M. Essas notas serão vendidas com vencimentos opcionais: 1º de julho de 2005; 1º de dezembro de 2006; 1º de março de 2011; 1º de abril de 2021 e 1º de janeiro de 2031. Na página do Tesouro, o aplicador poderá escolher o título e verificar o preço de cada papel. Fechada a compra, será agregada uma taxa de custódia de 0,43% do valor da operação e, em seguida, emitido um boleto. Com o papel na mão, ele vai a um banco - que também selecionou na página do Tesouro - e faz o pagamento.O investidor poderá esperar o vencimento do papel ou negociá-lo antes. Semanalmente, o Tesouro fará recompras dos papéis ofertados. O aplicador também poderá negociar o papel no mercado secundário, ou seja, entre outros investidores do mercado financeiro. Na hipótese do aplicador manter o papel em seu poder até a data de vencimento, o Tesouro fará um crédito na conta do investidor, no banco por ele indicado, assim que vencer o título. Se o papel pagar juros semestrais, o crédito também será semestral. Na prática, as compras de títulos pela Internet só poderão ser feitas por meio de bancos ou instituições financeiras que tenham se cadastrado no programa do Tesouro. Segundo Sardenberg, mais de 30 instituições estão aptas a atuar com agentes de custódia destas operações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.