finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Tesouro: rebaixamento do País não afasta investidor

O coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Fernando Garrido, avaliou nesta terça-feira, 25, que os investidores continuam muito dispostos a comprar títulos da divida, mesmo após o rebaixamento da nota de crédito do Brasil ontem pela Standard & Poor''s (S&P). "A demanda por títulos continua bastante positiva, mesmo hoje. Os investidores julgam que momento é adequado e que taxas são atraentes", afirmou.

EDUARDO RODRIGUES E ADRIANA FERNANDES, Agencia Estado

25 de março de 2014 | 16h49

Garrido relatou que o Tesouro realizou hoje um leilão de NTN-Bs cujas taxas ficaram 5 pontos abaixo do fechamento de ontem. "O resultado do leilão de hoje, após o rebaixamento, mostra que há demanda pelos papéis", disse.

Ele acrescentou que o volume total de aproximadamente R$ 1 bilhão foi vendido nesse leilão. "É um volume financeiro razoável", completou. Questionado se houve uma precificação anterior ao rebaixamento, pelo mercado, Garrido se limitou a responder que essa avaliação cabe aos analistas.

Garrido destacou também que o leilão de NTN-B teve demanda maior nos grupos de papéis mais longos 2030, 2040 e 2050.

Estrangeiros

Garrido destacou que o Tesouro Nacional tem visto a entrada de estrangeiros na compra de prefixados. Em fevereiro, o volume e a participação de investidores estrangeiros na dívida bateram recorde, ultrapassando pela primeira vez o grupo de Previdência na detenção de títulos.

"Pode ser movimento normal de realocação de carteiras", disse Garrido. "Há uma entrada gradual e contínua de estrangeiros. Dadas as taxas atuais, o momento é atraente para a compra de títulos brasileiros", avaliou.

Emissões

Garrido disse que o Tesouro Nacional monitora constantemente condições de mercado para avaliar o melhor momento para fazer emissão externa, mesmo depois do rebaixamento da nota de crédito brasileira pela Standard & Poor''s (S&P), ontem. "Isso continua valendo, como sempre valeu. Não há mudança", completou.

Segundo ele, se o Tesouro ainda não realizou uma emissão externa este ano, é porque julgou que as condições ainda não eram as melhores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.