Tesouro vende R$ 4,22 mi em títulos pela Internet

O Tesouro Nacional já vendeu R$ 4,22 milhões de títulos pela Internet em menos de um mês. O balanço do programa Tesouro Direto, que permite pessoas físicas comprarem títulos diretamente pela Internet, mostra que 659 investidores de 105 cidades em 22 Estados diferentes do País fizeram compras dos papéis. Até agora, foram realizadas 696 operações, o que indica que alguns investidores já fizeram mais de duas compras. O valor médio das operações já realizadas foi de R$ 6.069,61.Para o secretário do Tesouro Nacional, Fábio Barbosa, o programa, que teve início no dia 7 de janeiro, já é um sucesso. "Surpreendeu o número de cidades, a amplitude geográfica e etária dos investidores que já compraram os títulos", comentou Barbosa. O secretário do Tesouro acredita que o programa está cumprindo com o seu objetivo de oferecer os títulos para um público - o pequeno investidor - que não tinha até então essa opção de investimento. "O valor médio das operações de R$ 6 mil mostrou que o programa é efetivamente para o pequeno investidor", afirmou De acordo com o Tesouro, 40,1% das compras foram de aplicações de valor baixo, de até R$ 1 mil. A idade mínima dos investidores que já participaram do programa foi de 19 anos e máxima de 82 anos. A maior parte dos compradores - 33,9% - se concentra na faixa de idade entre 21 anos a 30 anos. Na faixa entre 30 e 40 anos, ficaram 32,3% dos investidores. LTN foi o papel mais procuradoOs títulos oferecidos na Internet são os mesmos que são oferecidos às instituições financeiras nos leilões. O valor máximo de aplicação permitido é de R$ 200 mil e mínimo de R$ 200. O papel mais procurado foi a LTN (títulos com correção prefixada). De acordo com o secretário, 84,50% das compras realizadas foram de LTNs. As NTN-C (títulos corrigidos pelo IGP-M) foram compradas por 8,54% dos investidores. O restante dos papéis vendidos foi de LFT (títulos corrigidos pela taxa Selic). Para o secretário do Tesouro, os prazos mais curtos das LTNs foi um dos motivos para a procura maior por esses papéis prefixados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.