Tesouro vende títulos de 1 ano

O Tesouro Nacional retomou hoje o leilão de LTN de um ano em condições bem favoráveis, conseguindo pagar menores taxas de juros do que na última oferta de papel de mesmo prazo, em 2 de maio. Naquele dia, a taxa máxima sancionada pela LTN de um ano foi de 20,31% ao ano e a média, de 20,29% ao ano. A partir de 9 de maio, o governo não conseguia lançar papéis com prazo maior que seis meses por causa dos altos prêmios exigidos pelo mercado. Hoje, o papel saiu à taxa máxima de 18,69% ao ano e média de 18,67% ao ano, ligeiramente acima da expectativa do mercado.Agora, o Tesouro voltou a alongar os prazos dos títulos, graças ao fato de o cenário externo ter se acalmado - sobretudo as bolsas norte-americanas -, à percepção de que o Fed manterá os juros estáveis na reunião que termina amanhã e à surpreendente decisão do Copom de reduzir a Selic de 18,5% para 17,5% ao ano, com viés de baixa. Tesouro lança cronograma de julho O cronograma de leilões do Tesouro do mês de julho será divulgado amanhã ou na quinta-feira. Na sexta, o Tesouro divulgará a portaria do leilão da terça-feira, o primeiro do mês de julho. O secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rubens Sardenberg disse que Tesouro deve aumentar o volume máximo de oferta de prefixados no cronograma de julho, que seguirá os mesmos padrões do mês de junho, sem informações de prazo dos papéis e fixando em zero o limite mínimo dos papéis ofertados. O volume máximo de prefixados, no cronograma de junho, foi de R$ 4 bilhões. Sardenberg disse também que o Tesouro deve aumentar o volume da oferta de LTN de 12 meses no leilão de terça-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.