Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Testes mostraram que bancos não escondem potenciais perdas

Os reguladores revisaram as posições dos bancos e se sentiram confortáveis com o fato de que eles estão amplamente protegidos de uma escalada da crise da Europa

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

21 de março de 2012 | 12h49

O presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, disse nesta quarta-feira, 21, em uma audiência no Congresso, que os recentes testes de estresse realizados nos bancos mostraram aos reguladores que as instituições financeiras não estão escondendo potenciais perdas enormes.

Os reguladores revisaram as posições dos swaps de default de crédito (CDS, na sigla em inglês) dos bancos e suas contrapartes e se sentiram confortáveis com o fato de que eles estão amplamente protegidos de uma escalada da crise da dívida soberana na Europa, afirmou Bernanke no Comitê de Supervisão e Reforma do Governo da Câmara.

"AIG é um exemplo do que nós não vemos agora", disse ele, em resposta a um forte questionamento do presidente do comitê, o republicano Darrell Issa. O governo dos EUA socorreu a AIG em 2008 durante a crise financeira.

O Fed anunciou na semana passada o resultado da última rodada dos testes de estresse dos bancos dos Estados Unidos. No cenário de maior gravidade, que inclui uma taxa de desemprego no pico de 13%, uma queda de 50% nos preços das ações e um recuo de 21% nos preços dos imóveis, as perdas dos 19 bancos avaliados pelo Fed eram estimadas em US$ 534 bilhões durante os nove trimestres de tal cenário hipotético.

"O que encontramos (nos testes de estresse) é que todos os bancos essencialmente foram capazes de atender a um nível razoável de capital, mesmo após as perdas associadas a um evento como esse", afirmou Bernanke nesta quarta-feira. As informações são da Dow Jones. (Renan Carreira)

O Federal Reserve não tem planos de adotar um papel ativo nos mercados de dívida soberana além das reservas internacionais que tradicionalmente possui, afirmou o presidente do banco central dos EUA, Ben Bernanke, a formuladores de políticas públicas do país.

Durante um painel da Câmara de Representantes, Bernanke afirmou que o banco central detém "uma quantia relativamente pequena e de alta qualidade" de dívida soberana para o propósito de reservas internacionais. Ele assegurou aos legisladores que o Fed não tem planos de expandir sua posição além disso.

"Eu não acho que é a intenção do Congresso que nós tenhamos envolvimento com questões de dívida soberana e não é nossa intenção fazê-lo", disse Bernanke. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Bernankebancosteste de estresse

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.