Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Texto da Previdência será apresentado quando Bolsonaro estiver seguro, diz Onyx

Ministro da Casa Civil afirma que material vai mostrar 'conceito fraterno' do governo; Mourão acredita que proposta pode ser enviada ao Congresso na próxima semana

Julia Lindner e Teo Cury, O Estado de S.Paulo

13 Fevereiro 2019 | 19h09
Atualizado 13 Fevereiro 2019 | 21h05

BRASÍLIA - O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o governo Jair Bolsonaro é formado por um "conceito fraterno" que será conhecido pela população na apresentação da reforma da Previdência. Ele destacou que Bolsonaro "tem uma preocupação muito grande em fazer uma nova Previdência que respeite as pessoas".

"Esse lado fraterno vai estar demonstrado claramente na forma como vai ser feita a transição, na separação da Previdência da assistência. Quando conhecerem os detalhes, que não posso revelar ainda, todos vão entender", disse Onyx durante seminário promovido pela Revista Voto.

Questionado se um dos pontos de demonstração do chamado conceito fraterno seria assegurar renda mínima de R$ 500 para pessoas em condição de 'miserabilidade' com 55 anos ou mais, Onyx disse que acha que "não vai mais ser isso", mas que o presidente possui "várias alternativas" nesse sentido.

Onyx afirmou que Bolsonaro já recebeu a proposta preliminar da reforma e já revisou mais de uma vez o conteúdo, mas não garantiu que uma posição final seja dada até a próxima semana, como era esperado. "Não é obrigatório que será (apresentado) na semana que vem. Se ele (presidente Jair Bolsonaro) estiver seguro, a gente faz."

"Ele (Bolsonaro) vem de São Paulo, já seguramente reviu mais de uma vez o que deixamos com ele, vamos conversar ao longo do final de semana, início da semana que vem. Acho que antes do Carnaval deve estar lá (no Congresso)", disse Onyx. 

Vice

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, acredita que o texto final sobre a proposta de reforma da Previdência pode ser enviado ao Congresso Nacional na próxima semana. “Julgo que sim, porque os acertos são pequenos. É uma questão mais de decisão só, não do que vai ter que escrever ainda”, disse, ao ser questionado por jornalistas sobre a possibilidade de o texto ser enviado aos parlamentares já na próxima semana. 

O vice de Jair Bolsonaro (PSL-RJ) disse ainda que “o presidente tem que definir alguns aspectos, como a questão da idade, a questão do trabalhador rural”. Pontos que, segundo Mourão, “merecem análise de quem vai decidir sobre o assunto”.

Mais cedo, o vice-presidente defendeu que o texto da reforma deve levar todos os segmentos da sociedade em consideração. "A reforma deverá atingir a todos, pares e ímpares, ninguém poderá ficar de fora", disse o general da reserva durante a abertura do Seminário de Abertura do Ano de 2019, da Revista Voto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.