Thomson Reuters cortará 140 empregos de jornalistas

A companhia de informações globaisThomson Reuters Corp planeja eliminar 140 postos de trabalhoem seu departamento editorial até o fim do ano, enquanto oserviço de notícias da Reuters absorve o Thomson FinancialNews. Mais de metade dos cortes será na Europa, enquanto o restoserá espalhado, disse o editor-chefe David Schlesinger em umcomunicado aos empregados nesta segunda-feira. A Reuters também planeja criar 50 empregos em áreas decrescimento, disse Schlesinger, acrescentando que a organizaçãode notícias deve ter cerca de 2.500 empregados até o fim doano. "Quando duas organizações similares, que já competiramentre si, se juntam, há uma sobreposição natural e umaduplicação de coberturas", escreveu Schlesinger. "Onde foi possível, trabalhamos para minimizar perdas deempregos e para evitar o excesso, deslocando pessoas para novasfunções e cancelando vagas abertas que não se encaixam na novaorganização", acrescentou. O Sindicato Nacional de Jornalistas da Grã-Bretanha disseque não descarta a realização de uma greve, mas que iránegociar com a companhia antes. "O Sindicato tem pressionado forte para que os cortes deemprego sejam feitos através de demissões voluntárias e irácontinuar fazendo isso", disse a representante da entidade MyraMacDonald. A Thomson Reuters anunciou que cortaria empregos depois quea Thomson Corp comprou a Reuters Group Plc por mais de 16bilhões de dólares em dinheiro e ações no dia 17 de abril. A companhia, que emprega 50.000 pessoas no mundo todo,poderia perder 1.500 empregos no total, de acordo com umainformação da BBC. A Thomson Reuters está cortando aproximadamente 650 postosde trabalho nos seus departamentos de conteúdo, tecnologia, eoperações, de acordo com um comunicado enviado a empregadospelo chefe desse grupo, Peter Moss. "É importante enfatizar que o número de pessoas deixando acompanhia por excesso será significativamente menor que isso,com a nossa projeção atual sendo de aproximadamente 250pessoas", escreveu Moss. O porta-voz da Thomson Reuters, Frank DeMaria confirmou asdeclarações contidas nos comunicados. As ações da Thomson Reuters tiveram alta de 1,63 por centopara 1,682 pence em Londres, enquanto as ações em Nova Yorkestão operando em alta de 1,12 por cento, em 38,07 dólares. (Os repórteres e editores envolvidos na redação e revisãodesta nota podem possuir ações da Thomson Reuters e estãosujeitos ao Código de Conduta da Reuters, que restringe anegociação com ações das companhias sobre as quais escrevem) (Reportagem de Robert MacMillan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.