Thomson Reuters estréia em meio a tensão no mercado global

A Thomson Reuters estréia naquinta-feira como maior empresa de informações do mundo,esperando que um portfólio de produtos, dos financeiros até osvinculados a saúde, ajudem a empresa a passar pelo momento debaixa da indústria financeira. Os papéis da companhia, formada pelos mais de 16 bilhões dedólares em dinheiro e ações da Thomson com a compra da Reuters,vão começar a ser negociados em Londres, Toronto e Nova York . A nova Thomson Reuters, liderada pelo ex-chefe da ReutersTom Glocer, vende notícias eletrônicas e dados a operadores,administradores de fundos e analistas, além de bancos de dadose outras informações a advogados, contadores, cientistas a àindústria de saúde. A fusão permitirá à Thomson expandir seu negócio de dadosfinanceiros a partir da sua base norte-americana, somando asforças da Reuters. O negócio deve ajudar a Reuters a reduzirsua exposição aos mercados financeiros, que têm sido afetadospela crise do crédito. A nova empresa, com sede em Nova York, tem receita anual de12,5 bilhões de dólares, 50.000 funcionários e mais de 40.000clientes em 155 países. Glocer, ex-advogado de fusões e aquisições, espera que aempresa forneça "informação inteligente" pela qual as pessoasvão pagar. "O que eu acho que é mais interessante é que todas essasunidades vão trabalhar juntas no longo prazo", disse ele ementrevista à Reuters. Analistas esperam que as ações da Thomson Reuters listadasem Londres sejam negociadas com um ágio de 15 por cento sobreos papéis listados em Toronto, devido à natureza em mudança dabase de acionistas da nova empresa. DOS POMBOS E CASQUINHAS DE SORVETE As raízes da Thomson no mercado editorial datam de 1934quando Roy Thomson comprou o The Timmins Press, no norte daprovíncia canadense de Ontario. Thomson foi conhecido por suaestranha coleção de empresas, que em um momento incluiu umaoperação de fabricação de casquinhas de sorvete. A família Thomson desde então se envolveu com a publicaçãode livros e jornais e chegou a ser dona do tradicional jornallondrino The Times. Além disso, o grupo foi dono de estações detelevisão, companhias de viagem e exploradoras de petróleo. Thomson vendeu o The Times em 1981 e ampliou o foco nadivulgação de dados quando vendeu seus interesses petrolíferosno Mar do Norte em 1989 e a Thomson Travel, em 1998. O negóciode educação foi vendido por 7,75 bilhões de dólares em 2007. A Reuters foi fundada em 1851 quando o alemão Paul JuliusReuter transmitia dados das bolsas de valores entre Londres eParis por meio do cabo Calais-Dover. Antes disso, ele utilizavapombos para voar com os preços de ações entre Aachen, naAlemanha, e Bruxelas. Esse foi começo do serviço de notícias da Reuters, queagora tem 2.400 jornalistas e se tornou uma fundação para seuimpério de 5 bilhões de dólares ao ano com base em notícias edados financeiros. A nova empresa, com vendas anuais de 7,4 bilhões dedólares, compete com a Bloomberg LP por clientes na indústriafinanceira. Bloomberg e Thomson Reuters têm cada uma um terçodo mercado global de dados financeiros, de acordo com DavidAnderson, diretor da Atradia Consulting. Entre os rivais também estão a Dow Jones & Co, agora umaunidade da News Corp, e a anglo-holandesa Reed Elsevier . AReed é dona da base de dados legais LexisNexis, que compete coma Westlaw, da Thomson. (Reportagem adicional de Mark Potter em Londres) (Os repórteres e editores envolvidos na redação e na ediçãodesta reportagem podem ser donos de papéis da Reuters e sãoguiados pelo Código de Conduta da Reuters, que impede osjornalistas de negociar títulos de empresas quando escrevemsobre elas)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.