TIM e Vivo não vão se unir, diz Telecom Italia

Diante da iminente mudança de regras no setor de telefonia no Brasil, a cúpula da Telecom Italia, que controla a TIM, esteve reunida ontem com os ministros da Casa Civil, Dilma Rousseff, e das Comunicações, Hélio Costa, e com conselheiros da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O presidente da empresa italiana, Gabriele Galateri di Genola, pediu às autoridades brasileiras que o novo marco regulatório do setor assegure condições competitivas para todas as empresas. O presidente da TIM Brasil, Mario Cesar Pereira de Araujo, que também esteve nos encontros, disse que a Telecom Italia não irá se opor, em princípio, às mudanças de regras e à compra da Brasil Telecom pela Oi. "A nossa preocupação é que seja preservado o equilíbrio competitivo do mercado para que a TIM possa oferecer todos os serviços convergentes em igualdade de condições com as demais operadoras", disse.Os empresários italianos reiteraram às autoridades brasileiras o compromisso de manter a operação da TIM Brasil independente da Vivo, controlada pela Telefônica e pela Portugal Telecom. A Telecom Italia foi comprada no ano passado pela Telefônica e por um consórcio de bancos italianos, e o assunto ainda está em análise na Anatel. A agência aprovou a compra, mas fez 28 exigências para garantir que as operações no setor de telefonia celular no Brasil sejam mantidas separadas da Vivo. O presidente da Telecom Italia disse que apresentou à Anatel garantias adicionais da autonomia da TIM. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.