TIM emitirá R$ 516,7 milhões em ações para incorporar Intelig

Negócio havia sido anunciado em abril, mas enfrentava barreiras judiciais; operadora de celular busca liderança

Reuters,

15 de dezembro de 2009 | 08h53

A TIM Participações, terceira maior operadora celular do Brasil, anunciou nesta terça-feira que assinou acordo para incorporação da empresa de longa distância Intelig por meio de emissão cerca de R$ 516,7 milhões em ações. O negócio havia sido anunciado em abril deste ano, mas enfrentava barreiras judiciais

 

A companhia, unidade brasileira da Telecom Italia, vai emitir até 43.356.672 ações ordinárias e até 83.931.352 ações preferenciais equivalentes a até 5,14% do total de papéis de cada uma dessas ações.

 

A aquisição da Intelig não havia sido concretizada devido a problemas judiciais enfrentados pelo controlador da operadora, o empresário Nelson Tanure. Em maio passado a Justiça do Trabalho penhorou as ações da Intelig para garantir que Tanure honre compromissos trabalhistas com funcionários do jornal Gazeta Mercantil, que deixou de circular. 

 

A incorporação da Intelig pela TIM já foi aprovada previamente pelo Conselho Diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), em agosto passado.

 

Busca pela liderança

 

Atualmente na terceira posição do ranking de telefonia móvel do País, a TIM traçou como meta assumir a liderança do segmento dentro de um ano. Para alcançar o objetivo, anunciado em outubro pela presidente da companhia,

Luca Luciani, a principal barreira a ser superada pela TIM será conquistar os clientes de outras operadoras. 

 

A TIM possuía em julho menos de 40 milhões de clientes, segundo dados da Anatel divulgados pela consultoria Teleco, contra mais de 47 milhões de clientes da Vivo.

 

Entre as estratégias definidas pela direção da TIM para ameaçar a liderança da Vivo estão a busca de clientes das concorrentes e aumento dos investimentos principalmente na tecnologia 3G.

 

(com André Magnabosco, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
InteligTIM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.