TIM entrega plano de 800 páginas, mas ainda faltam detalhes

Segundo superintendente da Anatel, falta esclarecer como a projeção de crescimento de demanda vai ser atendida com investimentos em equipamentos e nos call centers

Eduardo Rodrigues, da Agência Estado,

24 de julho de 2012 | 14h40

Texto atualizado às 18h12

BRASÍLIA - Após mais de duas horas reunido com a cúpula da TIM, o superintendente de serviços privados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Bruno Ramos, disse que a companhia apresentou um plano de investimentos com mais de 800 páginas, mas ainda precisará refinar algumas informações.

"O plano da TIM é muito detalhado por Unidade da Federação e com projeções de evolução mês a mês. No entanto, falta aprimorar a questão de como a projeção de crescimento de demanda da companhia vai ser atendida com investimentos em equipamentos e nos call centers", disse Ramos. Segundo ele, o plano apresentado hoje foi 80% concentrado nos investimentos na rede.

Segundo o superintendente, a TIM "avançou bastante" e não discutiu no encontro o pedido de liminar contra a suspensão da venda de novas linhas em 18 Estados e no Distrito Federal desde segunda-feira. Ontem, a Justiça Federal negou o pedido da companhia contra a medida da Anatel. "A TIM hoje compareceu com o presidente Andrea Mangoni e mostrou um plano de forma consistente, mostrou que trabalhou bastante", completou Ramos.

De acordo com ele, a TIM também terá que aprimorar as informações apresentadas sobre a evolução da demanda da companhia, considerando os grandes eventos que o País irá receber nos próximos anos. A estratégia de marketing da companhia também precisará entrar nos cálculos. Uma nova reunião com a companhia deve ser marcada para quinta ou sexta-feira.

Sobre o argumento recorrente das empresas sobre a dificuldade de instalação de novas antenas, Ramos afirmou que as operadoras apresentam problemas que não necessariamente têm a ver com essa questão, como o próprio atendimento aos usuários e a qualidade das chamadas de longa distância. "Empresas precisam se enquadrar nos parâmetros de qualidade que o Brasil tem. E esses parâmetros serão cumpridos", frisou.

Para o superintendente, a greve dos servidores das agência reguladoras deflagrada na semana passada não afetou a fiscalização da Anatel sobre a suspensão de vendas de novos planos das operadoras com maiores índices de insatisfação em cada Unidade da Federação.

"Acho que agência tem condições de fiscalização e vai cumprir o seu papel. Até agora temos recebido informações de que as empresas realmente cumpriram suspensão de vendas e habilitações, com a exceção de alguns casos pontuais, de vendas em bancas, que serão apurados", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
operadorassuspensãoreuniãoAnatel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.