TIM escolhe fornecedores para rede de celular 4G

Operadora contrata Nokia Siemens, Ericsson e Huawei para construir rede e investirá R$ 350 milhões no ano que vem

MARIANA DURÃO / RIO, O Estado de S.Paulo

31 Outubro 2012 | 02h10

A TIM Brasil anunciou ontem a contratação de Ericsson, Huawei e Nokia Siemens como fornecedores de infraestrutura para a quarta geração (4G) de telefonia móvel. A operadora projeta um investimento da ordem de R$ 350 milhões para a eletrônica e as obras de construção dessa rede em 2013, o que exclui aportes em TI. A meta da TIM é começar a vender planos 4G até março.

A operadora foi a última a divulgar seus fornecedores para o padrão Long Term Evolution (LTE), indicando que houve uma queda de braço por preços. No início do mês, Oi, Vivo e Claro revelaram os parceiros escolhidos na feira de telecomunicações Futurecom. A Ericsson foi a maior vencedora desse processo e estará presente como provedora de infraestrutura 4G para as quatro empresas. Já a chinesa ZTE ficou fora do 4G brasileiro.

"Foi questão de chegarmos a um bom acordo comercial", justificou Daniel Hermeto, diretor de suprimentos e logística da TIM Brasil. As negociações chegaram a envolver cinco empresas e começaram em julho, logo após o leilão das faixas para o 4G. A TIM levou o lote da banda "V1" e seis lotes na banda "P" por cerca de R$ 400 milhões.

A estratégia da operadora foi manter os mesmos fornecedores de suas redes de segunda geração (2G) e terceira geração (3G). Com os contratos, a TIM consolida o projeto de concentrar cada fornecedor de infraestrutura em uma região do País. Na divisão geográfica, a Ericsson fica com Minas Gerais, Bahia e Sergipe; a Nokia Siemens com Norte e Nordeste; e a Huawei com Espírito Santo e Estados do Sul. Em São Paulo e no Centro-Oeste, a bola é dividida entre Nokia e Ericsson.

O plano de concentrar fornecedores por região começou em 2011, quando a TIM investiu R$ 1 bilhão para modernizar as redes GSM e 3G. "Isso aumenta a eficiência operacional da rede", diz Hermeto. Segundo ele, a conclusão do projeto será antecipada de dezembro para julho de 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.