TIM lança celular 3G em seis capitais

São Paulo e Rio ficam de fora por atraso na assinatura de contratos

Renato Cruz, O Estadao de S.Paulo

17 de abril de 2008 | 00h00

A TIM, segunda maior operadora celular do País, tinha programado para ontem o lançamento nacional de seus serviços de telefonia celular de terceira geração (3G). Não deu. A empresa fez um lançamento limitado a seis regiões metropolitanas: Belo Horizonte, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Recife e Salvador. São Paulo e Rio de Janeiro ficaram de fora, apesar de as redes já estarem prontas, porque a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) adiou a assinatura dos contratos do leilão de 3G que aconteceu em dezembro passado."Estamos aguardando a autorização da Anatel", afirmou Mario Cesar Pereira de Araujo, presidente da TIM. "Tão logo tenhamos, lançamos no dia seguinte." A agência havia marcado a assinatura dos contratos para o último dia 10. Desmarcou para o Tribunal de Contas da União (TCU) analisar o resultado do leilão.A TIM está usando freqüências desocupadas da segunda geração (2G), em 850 MHz, para operar nas seis cidades. A Claro lançou o 3G nas principais capitais no ano passado, antes mesmo do leilão, porque tinha freqüências desocupadas de segunda geração. "Possivelmente a Claro se beneficiou disso", disse Araujo.A 3G permite comunicação de dados em alta velocidade no telefone móvel. A TIM anunciou ontem pacotes de banda larga de uso ilimitado com velocidades de até 1 megabit por segundo (Mbps) e de até 7 Mbps. Os pacotes dos concorrentes fixos vão até 8 Mbps."O maior benefício da 3G é a internet móvel", disse Renato Ciuchini, diretor de Planejamento Estratégico e Novos Negócios da TIM. "A grande diferença entre a 2G e a 3G é a performance da rede. Muitos serviços são os mesmos, mas a experiência é diferente." A 2G, oferecida pelas operadoras hoje, é digital, mas não tem banda larga. A velocidade do 2G da TIM é de até 200 quilobits por segundo (kbps). Ou seja, um quinto do menor pacote de 3G.A TIM aposta em serviços de vídeo para a 3G. Ontem, anunciou acordos com a Sky, a Bandeirantes, o Google, o UOL e a Sony BMG, entre outros. "Lançar o 3G sem conteúdo é a mesma coisa que um avião levantar vôo sem passageiros", disse Araujo. A TIM TV tem conteúdo de 11 canais, que incluem CNN, Discovery Kids, Discovery, VH1, MTV, RedeTV, Cartoon Network e Nickelodeon. Até 30 de junho, o acesso é gratuito. Depois disso, o cliente compra pacotes por tempo de acesso.A Bandeirantes vai usar o serviço de videochamada para fazer transmissões ao vivo em coberturas jornalísticas. A empresa também terá um canal de vídeos sob demanda, tirados de sua programação. No caso da Sky, a empresa criou um canal especial para a TIM TV e participa do triple play, pacote que une voz, dados e imagem, da TIM. Quem contratar a TIM e a Sky terá um desconto mensal de R$ 60 por 12 meses. O pacote inicial tem banda larga, telefonia celular e televisão.Até o fim do ano, a TIM planeja incluir no pacote o produto TIM Casa, em que o celular funciona como telefone fixo, para ter o chamado quadruple play. A Oi já oferece o quadruple play em Minas Gerais. A Net, com a Embratel, e a Telefônica têm triple play. A Telefônica tem uma participação minoritária na Telecom Italia, dona da TIM.Existem clientes da TIM que possuem aparelho 3G e nem sabem. Quem comprou o modem do TIM Web, para conectar o computador à internet via rede de celular, já está preparado para o 3G, apesar de não saber. "Os consumidores podem experimentar os serviços em 3G sem trocar de chip ou ter que ativar um novo plano", apontou Marco Lopes, diretor de Marketing da TIM. A HP lançou um laptop, em parceria com a TIM, que já vem com modem e chip para acessar a internet. Segundo estimativa da operadora, cerca de 10% dos aparelhos vendidos este ano no País devem ser preparados para a 3G.MAIS RÁPIDOBanda larga: A tecnologia 3G traz uma a internet rápida para o celular. A velocidade de conexão pode chegar a 7,2 Megabits por segundo (Mbps), próxima dos 8 Mbps oferecidos hoje pelas operadoras de telefonia fixa e pelas empresas de TV a cabo.Serviços: A 3G permite que se faça videochamadas, ligações de telefone com imagem. As operadoras apostam no vídeo como a grande aplicação do 3G. Na geração anterior, já era possível ter vídeo no celular, mas com baixa qualidade. O Google tem uma versão móvel do YouTube e operadoras como a TIM e a Claro oferecem conteúdo de canais de televisão por assinatura para seus clientes.Concorrência: As operadoras querem que o 3G seja alternativa à banda larga fixa, conectando laptops e até computadores de mesa à rede mundial. Em algumas cidades, pode ser a única opção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.