Tim promete guerra contra a Vivo

O presidente da TIM, Mario Cesar Pereira de Araujo, reiterou que a operadora atuará de forma independente da Vivo e garantiu que as duas companhias, que agora têm a Telefónica como acionista comum, não só competirão, como também vão guerrear. "Quero ver os clientes da Vivo na nossa base e tenho certeza que a empresa tem as mesmas más intenções", destacou.Segundo ele, agora que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) concedeu anuência prévia à compra, pela Telefónica e um grupo de investidores italianos, da Olimpia, holding que controla a Telecom Italia, os compradores poderão preparar o acordo de acionistas, que só seria elaborado, conforme Araujo, após o aval do órgão regulador brasileiro. A operadora espanhola divide o controle da Vivo com a Portugal Telecom."Vamos trabalhar completamente separados da Vivo e brigar com toda força, com ética e respeito, mas vamos concorrer", afirmou o executivo, dizendo que uma das estratégias de competição será via participação do leilão de freqüências para a terceira geração de telefonia celular (3G). EstratégiaSobre a mudança no mapa das telecomunicações provocada pelo leilão de sobras do Serviço Móvel Pessoal (SMP), que tirou da TIM a exclusividade de cobertura nacional e colocou Vivo e Claro na mesma condição, Araujo indicou que as operadoras móveis terão de mudar sua estratégia, sob pena de perder clientes."Evidentemente, se eu repetir em 2008 a mesma atuação do ano anterior, vou errar", afirmou. Segundo ele, as operadoras móveis terão de se adaptar a uma nova realidade e balizar suas estratégias às mudanças, especialmente agora que ganharam novas freqüências e terão o leilão de terceira geração (3G) pela frente. "A configuração da concorrência com novos competidores nas áreas vai mudar a atuação geral."

MICHELLY TEIXEIRA, Agencia Estado

25 de outubro de 2007 | 14h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.