TIM vai à Justiça contra suspensão das vendas

Empresa entrará hoje com mandado de segurança contra a Anatel; ontem, presidente da Claro pediu desculpas aos clientes pelas falhas no serviço

O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2012 | 03h07

A TIM, principal prejudicada pela medida da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) que proibiu a venda de novas linhas a partir de segunda-feira, informou que vai entrar hoje com um mandado de segurança contra a decisão. A empresa será proibida de efetuar vendas em 18 Estados e no Distrito Federal.

Em nota, a operadora argumentou que vem apresentando bons resultados no Índice de Desempenho no Atendimento da Anatel (IDA), que mede o volume e o prazo de atendimento das reclamações à agência. "A TIM reduziu em 36% a taxa de reclamações no primeiro trimestre deste ano, sobre o ano passado, e hoje tem a segunda melhor performance do setor", disse.

Em reunião com a Anatel, a empresa contestou os critérios para suspensão das vendas. Mesmo assim, comprometeu-se a apresentar um plano de investimentos preliminar para atender às exigências da agência. Ontem, as ações da TIM caíram 8,77% no Brasil. Na Itália, os papéis da Telecom Italia, controladora da TIM, caíram 7,1%.

Desculpas. Apesar de contestarem a medida da Anatel, as operadoras atingidas (além da TIM, também a Claro e a Oi) foram a público ontem se explicar pelas falhas nos serviços. O presidente da Claro, Carlos Zenteno, chegou a pedir desculpas aos clientes, enquanto a TIM e a Oi mandaram mensagens de texto com esclarecimentos aos usuários.

"Eu queria pedir desculpas aos nossos clientes. A Claro está trabalhando para resolver o problema o mais rápido possível. Estamos priorizando a entrega das informações exigidas pela Anatel para voltarmos à normalidade em menos de 30 dias", afirmou Zenteno. Ele também disse que a empresa vai antecipar investimentos de R$ 3,5 bilhões já planejados para este ano. A empresa terá suas vendas suspensas em três Estados - Santa Catarina, Sergipe e São Paulo.

O empresário Jamil Félix Filho é um dos clientes insatisfeitos com o serviço prestado pela Claro. "O call center é muito ruim. Já liguei dez vezes. Não conseguem resolver meu problema e foram até grosseiros comigo", disse ele, que esteve ontem em uma loja da Claro, em São Paulo. Ele discorda de valores cobrados na conta de telefone e, por isso, solicitou transferência para um plano mais simples.

Félix também é cliente da TIM e já reclamou da operadora à Anatel. "A ligação é ilimitada, mas cai toda hora. Não dá para depender da empresa", disse.

A resposta da TIM aos clientes veio via mensagem de texto. "Sobre as notícias recentes, informamos que continuamos investindo para garantir a qualidade dos serviços e sua satisfação. Obrigado por ser cliente TIM", disse a empresa. A TIM foi a companhia mais prejudicada pela decisão da Anatel e não poderá comercializar novas linhas em 19 Estados.

A Oi, que terá vendas suspensas em cinco Estados, também usou mensagens de texto para se explicar aos clientes. A empresa mandou um comunicado a toda a sua base de clientes para informar que o serviço continua normal e que as vendas serão mantidas na maioria das cidades. / EDUARDO RODRIGUES, MARINA GAZZONI, FERNANDO SCHELLER E MÔNICA CIARELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.