Títulos brasileiros fecham na mínima do dia e risco Brasil sobe

Os títulos da dívida externa brasileira atingiram as cotações máximas do dia no período da manhã e depois não encontraram motivos para subir. No fechamento, os dois papéis mais negociados da dívida, o C-Bond e o Global 40, estavam nas mínimas do dia. O risco Brasil ? taxa que mede a confiança dos investidores estrangeiros na capacidade de pagamento da dívida do país ? fechou em alta de 17 pontos, em 539 pontos. No cenário interno, os investidores monitoraram com alguma preocupação os desdobramentos do caso Waldomiro Diniz. Segundo um operador, embora os investidores ainda vejam como reduzidas as possibilidades de abertura de uma CPI para o caso, sempre há o temor de que as denúncias dominem as atividades do governo por um período, colocando em segundo plano decisões e medidas prioritárias. No fechamento dos negócios, o C-Bond foi negociado em 96,500 centavos por dólar, mínima do dia e queda de 0,64% sobre o último negócio de sexta-feira. Na máxima, o C-Bond chegou a 97,313 centavos por dólar. O Global 40 teve seu último negócio realizado em 107,35 centavos por dólar, também a mínima do dia, depois de atingir 109,50 centavos por dólar na máxima, segundo a corretora López Léon.Os investidores também acompanham a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que começou hoje. O resultado será divulgado amanhã. O Comitê analisa mensalmente a Selic, a taxa básica de juros da economia, atualmente em 16,5% ao ano.

Agencia Estado,

17 de fevereiro de 2004 | 19h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.