finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Títulos da dívida de países emergentes sobem

Os títulos da dívida de países emergentes fecharam em alta em Nova York, porém, os volumes foram baixos, pois os investidores estão aguardando para ver qual será a decisão do Federal Reserve sobre as taxas de juro norte-americanas na quarta-feira. Os mercados financeiros estão apostando que o Fed irá promover um novo corte de 50 pontos-base nas taxas de juro. Segundo investidores, se o Fed anunciar um corte inferior ou acima das previsões, poderá haver uma liquidação. "O mercado vende na surpresa", disse um gerente de carteira baseado em Boston. "Se o Fed cortar o juro em 25 pontos-base, o mercado ficará desapontado e irá vender. Se o Fed anunciar um corte de 75 pontos-base, isso significa que a economia está numa queda livre e, então, o mercado irá vender", explicou. Hoje, os C-bonds brasileiros tiveram um desempenho superior aos demais, impulsionados pelas especulações de que o Brasil irá lançar uma operação de "swap" de bônus Brady, em breve. Os C-bonds subiram 7/16, para 81 1/8 cents por dólar. Depois do Brasil, os instrumentos da dívida do México foram os mais procurados, com os bônus globais com vencimento em 2026 registrando ganho de cerca de 3/4, para 121 5/8 cents por dólar (preço de oferta). Hoje, finalmente, o governo argentino divulgou detalhes da aguardada operação de "swap" de US$ 3 bi em bônus denominados em peso e em dólar. Após o anúncio, os bônus FRBs argentinos subiram, fechando em alta de cerca de 7/16 , para 93 7/16 cents por dólar. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

29 de janeiro de 2001 | 20h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.