Títulos do Uruguai caem forte após corrida a bancos

Os bancos do Uruguai abriram normalmente hoje e a situação está mais tranquila do que nos dois últimos dois dias úteis da semana passada, segundo uma fonte ligada a bancos de Montevidéu. No entanto, os preços dos papéis da dívida uruguaia registram fortes quedas.Na quinta e na sexta-feira da semana passada houve uma onda de saques de contas bancárias depois de circularem rumores de que seria decretado feriado bancário e que os depósitos em dólares poderiam ser convertidos para pesos. Durante o fim de semana, o presidente Jorge Battle negou que o governo esteja pensando em qualquer medida do tipo.O sistema financeiro teria perdido US$ 60 milhões em depósitos nos últimos dois dias da semana passada. Estima-se que o total de depósitos nos bancos uruguaios seja o equivalente a US$ 8,3 bilhões, dos quais cerca de 93% estão denominados em dólares e o restante em moeda local.Na sexta-feira, o diretor de assuntos externos do FMI, Thomas Dawson, admitiu que os encargos da dívida uruguaia são significativos e que a questão está sendo "ativamente" discutida entre o Fundo e o governo uruguai. Vêm circulando na imprensa informações segundo as quais os economistas da missão do Fundo, que deixou o país na semana passada sem divulgar um comunicado, consideram que o peso da dívida do país é insustentável.O FMI está retendo o pagamento de US$ 380 milhões ao Uruguai desde outubro passado. Segundo o FMI, os desembolsos dependem de reformas no sistema bancário, que entrou em crise no ano passado em parte por causa do contágio da crise argentina. As reformas dos bancos fazem parte do programa de ajuda de US$ 2,8 bilhões fechado entre o FMI e o Uruguai em agosto.O temor de instabilidade ao país pressionou a dívida uruguaia. Embora o mercado atue com baixa liquidez, os títulos uruguaios caíram cerca de 4 a 5 pontos. O Uruguai 12, que era negociado na quarta-feira passada entre 54 centavos e 56 centavos por dólar, estava sendo vendido hoje a 51 centavos por dólar. O Uruguai 10, cotado entre 55 e 56 centavos por dólar em meados da semana passada, era vendido hoje a 52 centavos por dólar, segundo a corretora López León.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.