Títulos pela Internet atraem investidores

Dados divulgados ontem pelo Tesouro Nacional revelam que já foram vendidos R$ 4,22 milhões de títulos públicos pela Internet. A venda destes papéis foi iniciada no dia 7 deste mês. O objetivo do governo com esta operação é captar recursos para financiar o déficit público. Já o investidor torna-se credor do governo a partir da compra de um título público.Até agora foram realizadas 696 operações e o valor médio de cada uma delas é de R$ 6.069,61. O papel mais procurado foi a LTN - títulos com correção prefixada. De acordo com o secretário do Tesouro Nacional, Fábio Barbosa, 84,5% das compras realizadas foram de LTNs. Já as NTN-C - títulos corrigidos pelo índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) - totalizaram 8,54% das operações. O restante de papéis vendidos foi de LFT - títulos corrigidos pela taxa Selic, a taxa básica de juros da economia.Veja como investirAs ofertas de títulos públicos são feitas às terças e quintas-feiras no site do Tesouro (veja link abaixo). Para investir é necessário o número do CPF e um valor inicial de R$ 200. É permitida a aplicação mensal de até R$ 200 mil. O investidor deve cadastrar-se na Central Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC) por meio de uma instituição filiada ao programa. Nela, é necessário abrir uma conta corrente, caso o investidor não tenha. Um dia após o cadastro, o cliente receberá uma senha para negociar os títulos. A CBLC cobra uma taxa de 0,43% ao ano sobre o valor aplicado para custodiar - fazer a guarda dos títulos. Além deste custo, é cobrada uma taxa de corretagem, que varia de acordo com a corretora escolhida pelo investidor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.