coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Títulos protestados no Norte e Nordeste diminuem

O volume de títulos protestados nas Regiões Norte e Nordeste registrou queda nos quatro primeiros meses de 2002, em comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo levantamento nacional da Serasa, empresa especializada em análises econômico-financeiras de crédito e negócios. A Região Norte foi a que registrou maior queda no período, tendo o volume de títulos protestados, cerca 87,2 mil, reduzido em 13,4% no período.O resultado é decorrente da queda de 9,4% nos protestos de pessoas físicas e 14,6% nos protestos de pessoas jurídicas. A participação de pessoa física no total de títulos protestados apresentou aumento de 23,1%, relativo ao período de janeiro a abril de 2001, para 27,2% em 2002.Em seguida, aparece o Nordeste, que registrou queda de 3%, fechando o mês de abril de 2002 com 287 mil títulos protestados. A região registrou aumento de 4% no volume de títulos protestados de pessoa física e queda de 4,8% nos protestos de pessoa jurídica, na comparação dos resultados dos quatro primeiros meses de 2001/2002. A participação de pessoa física no total de títulos protestados registrou crescimento no acumulado do ano de 21,1%, em igual período de 2001, para 25,4% em 2002.Sudeste acumula crescimento de títulosApesar de não liderar o ranking, o Sudeste apresentou o maior porcentual de aumento do total de títulos protestados nos quatro primeiros meses de 2002. O total de títulos protestados na região chegou a 1,9 milhão, um aumento de 93,9%. O levantamento constatou que houve um crescimento de 214% no total de protestos de pessoa física e 32,5% de pessoa jurídica. A participação dos protestos de pessoa física no período de janeiro a abril de 2002 e o mesmo período no ano anterior cresceu de 33,8% para 61,7%.A expressiva variação nos protestos da Região Sudeste decorre da sobrecarga de títulos de crédito acumulados, há muito vencidos e não pagos, principalmente cheques sem fundos, que agora estão sendo levados pelos credores de uma vez aos cartórios, estimulados pela legislação em vigência, apenas no Estado de São Paulo. Este fato distorce as estatísticas, análises e comparações da Região Sudeste com as demais e não corresponde à inadimplência de forma pontual.De acordo com o levantamento da Serasa, a Região Centro-Oeste apresentou um aumento de 14,1% no volume total de títulos protestados de janeiro a abril de 2002, em comparação com os primeiro quatro meses de 2001. A Região teve elevação de 13,7% nos protestos de pessoa física e 14,3% nos protestos de pessoa jurídica. A participação de pessoa física no total de títulos protestados nos quatro primeiros meses de 2002 apresentou aumento de 33,3%, relativos ao período em 2001, para 37,4% este ano. Ao todo, foram protestados na região 186,5 mil títulos.Na Região Sul, o volume total de títulos protestados, 547,8 mil de janeiro a abril de 2002, registrou um aumento de 10,9% na comparação com o mesmo período de 2001. O Sul teve elevação de 4% nos protestos de pessoa física e 13,8% nos protestos de pessoa jurídica. A participação de pessoa física no total de títulos protestados, na comparação dos períodos, cresceu de 29,2% em 2001 para 30,8% este ano.Segundo a Serasa, ainda que os quatro primeiros meses apresentem uma sazonalidade, no que diz respeito aos indicadores de inadimplência, devido às compras de fim de ano e a concentração de despesas no início do exercício, a situação atual da inadimplência, medida por protestos, está distante do recorde histórico registrado entre 1995/1996.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.