coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Títulos protestados pelo SCPC recuam no 1º quadrimestre

O número de títulos protestados recuou 3,3% no acumulado do primeiro quadrimestre de 2013 ante igual período do ano passado, divulgou nesta quinta-feira, 09, a Boa Vista Serviços, administradora do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). Para empresas, a queda nos protestos foi de 3,6%, enquanto para pessoas físicas a baixa foi de 2,6%.

AE, Agencia Estado

09 de maio de 2013 | 13h01

No entanto, na comparação de abril com igual mês do ano passado houve avanço de 9,9% no total de títulos protestados. Para pessoas físicas, o número de protestos subiu 12,9% e para empresas, 8,1%.

Na comparação mensal, de março para abril, o total de protestos aumentou 4,3% - alta de 5,8% para pessoas físicas e de 3,5%, para jurídicas. O valor médio dos títulos protestados em abril foi de R$ 2.476. Para as pessoas físicas, o valor correspondeu a R$ 1.739 e para pessoas jurídicas chegou a R$ 2.915.

Regiões

Em abril, de acordo com a Boa Vista, os títulos de empresas representaram cerca de 63% do total de protestos no País. A região Sudeste contribuiu com a maior parcela dos títulos protestados (48,4%), seguida das regiões Sul (23,8%), Nordeste (14,4%), Centro-Oeste (8,4%) e Norte (5%).

No acumulado do primeiro quadrimestre de 2013 ante igual período do ano passado, o Sul liderou com a maior diminuição dos protestos de pessoa jurídica, com queda de 6,1%, contra uma média nacional de -3,6%.

Já na comparação de abril com igual mês do ano passado, o Sul foi a única região que apresentou redução (-0,5%), enquanto o Nordeste obteve o maior crescimento (21,4%). Na comparação mensal, de março para abril, os destaques foram as regiões Norte, com a maior expansão (8,7%), e Centro-Oeste, com o maior recuo (-5,9%).

Tudo o que sabemos sobre:
títutos protestadosSCPCabril

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.