Títulos públicos serão vendidos pela Internet

A partir de dezembro, investidores pessoas físicas poderão comprar títulos públicos pós e prefixados pela Internet. O valor mínimo para aquisição é R$ 200 e o máximo, R$ 200 mil. A Secretaria do Tesouro Nacional vai criar um portal exclusivo para a venda dos papéis.Segundo a Associação Nacional das Corretoras de Valores (Ancor), para a compra dos papéis o investidor deverá cadastrar-se em um banco ou corretora, para o débito do valor da aquisição em sua conta corrente. Mas a compra deverá ser feita diretamente pelo interessado, sem a intermediação da instituição financeira. Ainda de acordo com a Ancor, as despesas com a aquisição vão depender das taxas cobradas pela instituição em que o investidor mantiver sua conta e, também, dos gastos com a custódia dos papéis na Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC). Embora exista quem entenda que a iniciativa do Tesouro de ofertar títulos públicos para pessoas físicas pela Internet possa promover uma revolução no mercado, pois permitirá o acesso do pequeno poupador aos títulos públicos, há também quem não acredite que a novidade deva causar grande impacto no mercado. O economista-chefe da Santos Asset Management, Rogério Mori, por exemplo, não vê com grande expectativa o impacto da medida, uma vez que ela deverá atingir um público restrito, isto é, o investidor que saiba operar no mercado. Em sua avaliação, as taxas de rentabilidade desses papéis deverão ficar pouco acima do juro básico - 19% ao ano no momento. Sua previsão é que o rendimento anual fique em torno de 20% a 20,5%, dependendo do momento da aquisição.

Agencia Estado,

19 de novembro de 2001 | 09h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.