TJ suspende falência da Brasil Ferrovias

O desembargador Boris Kauffmann, da Câmara Especial de Falência e Recuperação Judicial do tribunal de Justiça de São Paulo, suspendeu na quarta-feira a falência da Brasil Ferrovias (BF). A companhia, controladora das ferrovias Ferronorte, Ferroban, Novoeste e Portofer, teve a falência decretada no último dia 9 pelo juiz Caio Marcelo Mendes de Oliveira, da 2ª Vara de Falência e Recuperação Judicial do Fórum de São Paulo. A companhia ferroviária transporta 15% de toda produção de soja do País. A empresa foi acionada na Justiça porque tinha uma dívida de mais de R$ 5 milhões referente à compra de ações da Ferronorte. Em 2.600 quilômetros de trilhos, a empresa, cuja sede fica em São Paulo, escoa a produção agrícola de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo para o Porto de Santos. Os principais acionistas são os fundos de pensão da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil, e o BNDES, que em 2005 incorporou parte da dívida e assumiu o controle da empresa. Segundo a assessoria da Brasil Ferrovias, as atividades da empresa seguem agora normalmente.Para o desembargador Boris Kauffmann, foram "relevantes" os argumentos oferecidos no recurso apresentado pela Brasil Ferrovias. Segundo ele, a manutenção da falência causaria problemas de "difícil reparação". O Agravo de Instrumento apresentado na terça-feira pela companhia, antes mesmo da notificação da decisão de primeira instância, deverá ter o mérito julgado pela Câmara Especial do Tribunal. Ainda não há data para isso. A previsão é que demore pelo menos três meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.