TJLP é mantida em 9,75% para o 2º semestre

O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu nesta quarta-feira manter em 9,75% ao ano a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) para o segundo trimestre deste ano. Segundo explicou o diretor de Normas do Banco Central, Sérgio Darcy, não houve uma evolução dos fatores que são considerados para a fixação da taxa que justificasse sua alteração.A TJLP é definida com base em dois parâmetros: a expectativa de metas de inflação em 12 meses pelo IPCA e o risco Brasil. O parâmetro da meta, informou Darcy, foi mantido em 5,5% e o risco Brasil, em 4,25%. Ele explicou que o CMN não é obrigado a seguir "matematicamente" os parâmetros da meta de inflação e do risco Brasil e esclareceu que apesar da taxa ser de longo prazo o CMN leva em conta o período curto de três meses em que ela é fixada.A TJLP, que corrige os financiamentos concedidos pelo BNDES, é definida a cada trimestre pelo CMN. A taxa estipulada hoje vale a partir do dia 1º de abril até 30 de junho. Na reunião de junho do Conselho, será definida a taxa para o trimestre seguinte. Darcy informou que a decisão foi unânime entre os integrantes do CMN.Sem dar maiores detalhes, o diretor disse que todos os fatores da economia são levados em conta na decisão. Ele admitiu que entre esses fatores está o fato da taxa Selic ter sido elevada nesses últimos meses. Darcy, porém, evitou comentar o peso que as altas sucessivas do juro básico tiveram na decisão de hoje do Conselho. "Não há nenhuma necessidade de dizer qual o peso de cada coisa".Essa foi a primeira reunião do CMN com a participação do novo ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo. Têm direito a voto no CMN os ministros da Fazenda, Antonio Palocci; do Planejamento, e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. A TJLPestá em 9,75% ao ano desde abril de 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.