Todo o mundo é bandido na guerra por mercados, diz Rodrigues

O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, avalia que o País tem enfrentado dificuldades nas negociações comerciais que envolvem a agricultura na Organização Mundial do Comércio (OMC) e no acordo bilateral entre União Européia e Mercosul. "Todo o mundo é bandido na guerra por mercados, e não existe santinho", avaliou. "É uma guerra prostibular", complementou.Ele afirmou que não existe o sonho da solidariedade previsto no documento que norteia o Mercosul. Rodrigues lembrou que há três anos, quando era presidente da Associação Brasileira de Agribusiness (Abag), houve uma reunião na Argentina para discutir negociações comerciais na qual afirmou, citando o exemplo da soja, que os dois países são concorrentes."Na época, eu disse que o grande sonho do produtor brasileiro era que não chovesse na lavoura do argentino e, em contrapartida, que sua lavoura se desenvolvesse bem". "Por isso, os países precisam é discutir uma política aduaneira para a agricultura e diminuir regras, senão não vai haver o Mercosul real", afirmou o ministro.Bom exemploEm sua palestra durante o 1º Seminário de Oportunidades de Negócios Internacionais, Rodrigues observou que as negociações entre Brasil e China são um bom exemplo de um possível acordo bilateral de longo prazo, no qual o Brasil pode conseguir mais divisas cambiais, crescimento da produção agrícola e aumento de participação no mercado local chinês."Na China vai ocorrer nos próximos 15 anos um êxodo rural de cerca de 350 milhões de pessoas. Por isso, o país vai produzir menos alimentos e nós podemos ocupar aquele mercado, tendo como troca o investimento deles em infra-estrutura no Brasil", concluiu o ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.