Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Tom "nacionalista e simples" marca posse de Kirchner

Dois simbolismos - que não pretendem ser de forma alguma gratuitos - marcam amanhã a posse de Néstor Kirchner como presidente da Argentina. Primeiro, será o bastão presidencial que receberá de Eduardo Duhalde, o presidente que deixa o cargo. O bastão, ao contrário dos preferidos pelos presidentes anteriores, um modelo "europeu"de ouro e madeira importada, desta vez terá um design mais "nacionalista", de prata com ornamentos da cultura argentina, além de ser feito da inflexível madeira de urandai, uma árvorelocal.Depois, quando for assinar o documento de posse,Kirchner tirará de dentro do paletó estilo jaquetão - que usa com espontâneo desleixo - não uma caneta de ouro ou uma pena utilizada por gerações de presidentes. Ao contrário, paraindicar que seu governo terá o mesmo estilo simples que ele próprio tem em sua vida pessoal, assinará com uma prosaica esferográfica preta de plástico.O tom "nacionalista e simples" é o recado subliminar que Kirchner pretende enviar a seus compatriotas e aos estrangeiros. O recado direto ocorrerá minutos depois, em seu discurso de posse, no qual deve fazer duras críticas ao modeloneoliberal ortodoxo implementado pelo ex-presidente Carlos Menem (seu rival nas recentes eleições) nos anos 90.Kirchner defende uma maior participação do Estado no estímulo à economia e uma política social intensa. Ao contrário de Menem, Kirchner destacará que as relações internacionaisterão como prioridade o aprofundamento dos laços com o Brasil.Com a chegada de Kirchner ao poder, também retira-se - pelo menos do cenário principal - uma geração de velhos caudilhos, que estiveram presentes na política argentina duranteos últimos 40 anos. Todos os presidentes anteriores, como Raúl Alfonsín (1983-89), Menem (1989-1999), Fernando De la Rúa(1999-2001) e Eduardo Duhalde (2001-2002), haviam iniciado suas carreiras políticas antes do golpe militar de 1976, que foi um divisor de águas no país.Com Kirchner, chega ao poder uma geração que militou contra a ditadura e que começou a exercer cargos públicos em meados dos anos 80. Em alguns casos de seu gabinete de ministros, contará com torturados pelos militares.Cenário indefinido - Mas, depois dos simbolismos, Kirchner terá de lutar porsua legitimidade, já que foi eleito apenas com os 22,4% de votosque obteve no primeiro turno. O segundo turno, que seriadisputado contra Menem no dia 18 foi cancelado por causa dadesistência do ex-presidente. A expectativa era a de queKirchner vencesse com 70% dos votos. No entanto, ele não poderácontar com essa avassaladora maioria. Além disso, Kirchner terá pela frente um cenário político indefinido, já que na maior parte das provínciasargentinas as eleições para governador ocorrerão entre julho eoutubro. De quebra, Kirchner passará pelo teste das urnas naseleições parlamentares de setembro.Neste 25 de maio, Kirchner será o anfitrião depresidentes de um leque que vai da esquerda à centro-esquerda,como Luiz Inácio Lula da Silva, o chileno Ricardo Lagos, ovenezuelano Hugo Chávez, o peruano Alejandro Toledo, oequatoriano Lucio Gutiérrez e o cubano Fidel Castro.A posse presidencial deste domingo rompe com váriastradições. Normalmente, no dia da posse, o presidente eleito vaiaté o Congresso Nacional, onde faz o juramento perante osparlamentares. Depois - acompanhado pelo histórico Corpo deGranadeiros -, avança lentamente em um carro aberto pela Avenidade Mayo até a Casa Rosada, a sede do governo, onde costuma seresperado pelo presidente que deixa o cargo, para que este lheentregasse os símbolos do poder: a faixa e o bastãopresidenciais.Condenada ao sucesso - Hoje, Duhalde, em uma coletiva de imprensa de despedida, afirmou que quando assumiu, em janeiro de 2002, "o paísestava no meio de uma tempestade, onde as ondas batiam de todosos lados". No entanto, "El Cabezón" (O Cabeção), como éconhecido, sustentou que, com trabalho duro, pôs "o país denovo nos trilhos". Duhalde disse que o maior problema que Kirchner terápela frente não é a negociação com o FMI, mas sim "areestruturação da dívida externa pública com os credoresprivados". Na hora de despedir-se da imprensa, em seu últimoencontro na qualidade de presidente, Duhalde afirmou que obrasileiro Hélio Jaguaribe, "o filósofo contemporâneo maisimportante da América Latina", possui uma frase que define ofuturo do país: "A Argentina está condenada ao sucesso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.