José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Tomate e batata são os vilões da inflação da bacalhoada

Com alta em alguns acompanhamentos de quase 50%, prato típico da Páscoa pode ficar mais ou menos caro em relação ao ano passado conforme a receita

Marcelo Osakabe,

16 de abril de 2014 | 09h39

SÃO PAULO - O tomate é o vilão da bacalhoada nesta Páscoa, com aumento de preço acumulado de 49,61% desde o início do ano. O próprio peixe protagonista do prato típico da celebração religiosa subiu apenas 2,73% deste janeiro.

Mas a bacalhoada tem outros vilões infiltrados este ano: a batata subiu 36,17%, segundo os números apurados pela Fundação Instituto de Pesquisas da USP (Fipe), responsável pelo índice de preços ao consumidor (IPC), que mede a inflação da classe média em São Paulo.

A média ponderada dos preços medidos pela Fipe aponta inflação de 1,46% neste ano até 13 de abril. O cálculo ponderado leva em conta o peso de cada produto nos gastos médios das famílias.

Alguns produtos podem subir ou cair muito além da média, por fatores climáticos, sazonais ou por efeito da alta do dólar, quando são importados, mas as vezes pesam pouco na inflação.

Se a bacalhoada é acompanhada de couve, por exemplo, o consumidor pode anotar mais um vilão: a hortaliça acumula alta de 45,07% em 2014. O pimentão, outro ingrediente sempre presente, aumentou 28,38% desde janeiro.

Outras altas importantes este ano são as da cebola, com 17,23% de alta, e dos ovos, com 11,32%.

Mas, para quem está assustado com a inflação da bacalhoada, uma boa notícia: a azeitona ficou mais barata desde janeiro. O preço caiu 0,42% na média. Mas, em 12 meses, a alta até 13 de abril é de 11,23%.

 

Escolha a receita do seu bacalhau no especial do caderno Paladar

 

Altas em 12 meses. Desde a Páscoa do ano passado na medição até o dia 13 de abril, o bacalhau subiu 3,46%, ficando abaixo da inflação de 4,93% medida pela Fipe no índice acumulado em 12 meses.

No ano, os vilões são o pimentão (26,95% de aumento), a couve (26,3%), a batata (12,93%) e a azeitona (11,23%)

O tomate teve redução de preço de 4,25% em um ano e a cebola ficou 29,04% mais barata em relação à Páscoa de 2013.

No Mercado Municipal de São Paulo, os lojistas notaram que o bacalhau este ano está comportado no que diz respeito à inflação, mas outros produtos estão pesando mais no bolso dos consumidores.

"O preço do bacalhau não aumentou muito desde a última Páscoa", comenta Marcos Costa, funcionário de uma empresa que tem 5 endereços no mercadão. "Nos últimos dias até ficou mais barato, tanto por causa do dólar como da concorrência", diz o revendedor. Na sua loja, o quilo do bacalhau do Porto passou de R$ 48,90 para R$ 42,90 nas últimas semanas.

Tudo o que sabemos sobre:
BacalhauPáscoaFipe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.