Tombini manda recado para o governo e para o PT

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, usou a entrevista que concedeu esta semana à GloboNews para dar um “cutucão” no governo e no PT. A avaliação é dos economistas Zeina Latif, chefe do Departamento Econômico da XP Investimentos, e Marcel Caparoz, da RC Consultores. Para Zeina, Tombini não deixou de enviar sua mensagem ao mercado, ao descartar o corte da Selic no curto prazo. Mas o recado principal teria sido para o Executivo e para o PT.

Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

19 Fevereiro 2016 | 20h47

Tombini foi enfático ao dizer que não há espaço para cortes de juros no País com uma inflação tão elevada como a atual. Ele ponderou que a autoridade monetária está e continuará atenta a todas as informações econômicas disponíveis até a próxima reunião do Copom. Além disso, manteve a tese que já vem defendendo, de que a soma das crises externa e doméstica contribuirá para o processo desinflacionário no Brasil. “Tombini vai sofrer muita pressão para cortar juros tão logo a inflação comece a dar seus primeiros sinais de melhora”, disse Zeina. “Assim, o presidente do BC deixou transparecer que o viés está mais para alta do que para redução da Selic.”

Para Caparoz, ficou patente que Tombini estava mandando um recado ao Executivo. “Foi um ‘cutucão’ mesmo, dizendo que nenhuma ação de política monetária do BC vai conseguir derrubar essa inflação, que não é de demanda”, disse. O BC, sozinho, emendou o economista, não vai conseguir reduzir a inflação mesmo que coloque a Selic em 30% ao ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.