Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Tombini volta a falar sobre política fiscal

Presidente do Banco Central afirmou que política monetária e fiscal ajudam o câmbio a ficar mais estável para enfrentar desafios

Célia Froufe, O Estado de S. Paulo

05 Dezembro 2014 | 21h42


BRASÍLIA - Após o anúncio da nova equipe econômica, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, parece estar mais confortável para incorporar o tema política fiscal em seu discurso. E voltou a ressaltar o assunto, ausente em seus discursos anteriores. Em evento no Chile nesta sexta-feira, 5, Tombini tocou nesse ponto por mais de uma vez. Disse que medidas macroprudenciais são complementares à política fiscal, monetária e ao câmbio flutuante, e que a política monetária e fiscal ajudam o câmbio a ficar mais estável para enfrentar desafios.

Quando foi confirmado à frente do BC por mais quatro anos na semana passada, em mesmo evento no Palácio do Planalto em que foram apresentados os ministros indicados da Fazenda (Joaquim Levy) e do Planejamento (Nelson Barbosa), Tombini abordou a questão pela primeira vez depois de muito tempo.

“Entendo que o fortalecimento da política fiscal por meio de um processo consistente e crível de consolidação de receitas e despesas, rigorosamente conduzido, deverá, ao longo do tempo, facilitar a convergência da inflação para a meta de 4,5% ao ano”, destacou o presidente do BC.

A condução da política fiscal nos últimos anos foi uma pedra no sapato para o BC. A instituição passou a utilizar o modelo que leva em conta o impulso fiscal para medir os impactos (quase sempre negativos) dos gastos públicos sobre a condução da política monetária. A autarquia, sempre de forma discreta, chegou a mencionar aqui e ali por meio de um porta-voz ou documento, que não estava necessariamente satisfeita com os resultados primários. Mas era claramente um incômodo.

Agora, com a promessa de cumprimento de superávit de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano que vem e de 2% nos dois anos seguintes, provavelmente o tema será tratado - e possivelmente detalhado - mais vezes pela autoridade monetária.

Tombini falou ontem na conferência “Desafios para assegurar o crescimento e uma prosperidade compartilhada na América Latina”, promovida pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) em parceria com o governo do Chile, em Santiago. 

Mais conteúdo sobre:
alexandre tombinibanco central

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.