Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Top Picks: Aéreas se recuperam depois de ações refletirem possível falência, dizem analistas

Gol PN fechou a semana com valorização próxima a 75%, enquanto Azul PN subiu 40% e CVC ON teve ganhos de 60%; apesar das boas notícias, momento ainda pede cautela

Renato Carvalho, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2020 | 21h00

As ações das companhias aéreas passaram por uma semana de recuperação, depois de fortes quedas registradas desde o início do surto de coronavírus no Brasil, no final de fevereiro. Gol PN fechou a semana com valorização próxima de 75%, enquanto Azul PN subiu 40%. Já CVC ON, outro papel atingido em cheio pela crise, teve valorização próxima de 60% na semana.

Segundo analistas, o mercado chegou a precificar uma possível falência das empresas nas ações. Segundo explica Renato Chanes, estrategista de Pessoa Física da Santander Corretora, os preços dos papéis chegaram a levar em conta uma probabilidade de 60% de falência para Gol e Azul. E a melhora nesta percepção levou à recuperação dos ativos. "A título de informação, em um cenário de absoluto estresse, com 100% de corte de capacidade, acreditamos que a liquidez da Azul e da Gol poderia sustentar as operações por 6 meses", diz o analista. Ele não leva em conta o preço do petróleo neste cenário.

Sobre a CVC, Chanes acredita que a empresa de turismo seguiu a tendência das aéreas, mas que as medidas anunciadas para conter despesas também trouxeram um alívio. Ele lembra que a companhia divulgou números dando conta de uma posição de caixa de R$ 365 milhões ao final de 2019, mais R$ 500 milhões em recebíveis. Assim, também foi amenizada a percepção de risco de falência.

Renato Hallgren, do Banco do Brasil Investimentos (BB-BI), também afirma que o mercado chegou a precificar falência das companhias aéreas. Ele lembra que o pacote de US$ 2 trilhões aprovado nos Estados Unidos, e o posicionamento do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, priorizando a solvência das empresas, trouxe alívio.

"Entendemos que não se trata de uma recuperação pós-crise. Os próximos dias serão intercalados com notícias de apoio do governo com análises dos dados (negativos) de atividade, trazendo volatilidade ao mercado, e especialmente para as ações do setor de transporte e serviços", explica Hallgren.

Esta cautela mostrada pelo analista do BB-BI é compartilhada por Ilan Arbetman, da Ativa Investimentos. Ele pede "prudência" ao analisar o movimento desta semana. "A CVC ainda tenta se estabilizar após denúncia de fraude em balanço. E a Gol precisa reorganizar seus planos, uma vez que atualmente 27% de sua dívida é de curto prazo", ressalta.

No que diz respeito às recomendações, a XP fez uma alteração, retirando Cyrela ON para a inserção de Ambev ON. A corretora justifica que a fabricante de bebidas tem uma "saúde financeira robusta" para passar por esse momento de crise.

A Terra Investimentos retirou GPA ON e Magazine Luiza ON para colocar Lojas Americanas PN e Marfrig ON. A Ativa também realizou duas trocas, com saída de BB Seguridade ON e PetroRio ON e entrada de Raia Drogasil ON e Telefônica Brasil ON.

Guide e Mirae fizeram três alterações cada uma. A primeira incluiu Carrefour ON, Taesa Unit e Telefônica Brasil PN nos lugares de Engie ON, Itaú Unibanco PN e Magazine Luiza ON. A Mirae listou JBS ON, Magazine Luiza ON e Vale ON nos lugares de AES Tietê Unit, GPA ON e Raia Drogasil ON.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.