Nilyon Fukuda/ Estadão
Nilyon Fukuda/ Estadão

Top Picks: Bancos médios têm boas perspectivas, mas analistas ainda preferem os grandes

Segundo especialistas, grandes bancos estão se adaptando para fazer frente à concorrência das instituições menores e das fintechs

Renato Carvalho, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2020 | 21h00

Os analistas se mostram otimistas com os bancos de médio porte que já estão listados na B3 e com aqueles que ainda vão entrar, como Daycoval e Paraná Banco. Mas ao mesmo tempo, ressaltam que preferem um posicionamento prioritário nos gigantes, que, segundo eles, estão se adaptando para fazer frente à concorrência das instituições menores e das fintechs.

Julia Monteiro, analista da corretora MyCap, acredita que o ano de 2020 será bom para todo o setor financeiro, e nos bancos médios, deve aparecer a tendência que já começou no quarto trimestre de 2019, de crescimento do crédito. O Banco Inter é o preferido dentro do segmento específico. "Contudo, acreditamos que bancos grandes já estão migrando parte de suas operações para atender esta demanda e assim, nossa ação escolhida do setor continua sendo a do Banco do Brasil, por acreditarmos que a instituição pode capturar este movimento", afirma Julia.

Para Alvaro Bandeira, economista-chefe do banco digital Modalmais, há uma intenção declarada do Banco Central de desconcentrar o sistema bancário, e ao mesmo tempo reduzir exigências para instituições de menor porte. Mas esse processo deve ser mais de longo prazo. Para 2020, a preferência do Modalmais ainda é Banco do Brasil, "principalmente se conseguir alienar parte das ações em poder do Estado, como gostaria seu presidente", explica Bandeira.

Pedro Galdi, analista da Mirae Asset, lembra que o ambiente de juros mais baixos vai facilitar a capitalização de bancos de médio porte e até mesmo de fintechs, pressionando mais ainda as instituições mais tradicionais. Ele lembra inclusive que empresas de outros setores têm lançado suas próprias plataformas financeiras. "Este mercado tende a ficar mais competitivo nos próximos dois anos. Dentre as empresas citadas gostamos do modelo do Banco Inter, que já divulgou seu resultado do quarto trimestre e julgamos que veio muito bom".

A preferência pelo Banco Inter acontece mesmo com a valorização de quase 150% em um ano da ação PN, mas segundo Julia, da MyCap, ainda tem bom potencial de alta. Já o Banco Pan tem valorização superior a 170% no período. Luis Sales, analista da Guide Investimentos, ressalta que o Inter continua apresentando crescimento acelerado em número de clientes, carteira de crédito e plataforma de investimentos.

Nas carteiras recomendadas para a próxima semana, a MyCap fez uma renovação completa, passando a indicar Eletrobrás ON, Iguatemi ON, IRB ON, Petrobrás PN e Vale ON. A Ativa Investimentos manteve só BB Seguridade ON e BRF ON em relação à semana passada, e inseriu Alpargatas PN, Eletrobrás ON e Yduqs ON.

A Guide também fez quatro mudanças nas suas indicações, mantendo somente Centauro ON. Foram incluídas Cosan ON, Itaú Unibanco PN, Neoenergia ON e Porto Seguro ON. A Mirae fez três alterações, com as entradas de MRV ON, Multiplan ON e Petrobrás PN.

O Daycoval também fez duas mudanças, com as saídas de Sanepar Unit, trocada por Copasa ON, e de Minerva ON, que deu lugar para Odontoprev ON. Por fim, a Planner fez somente uma mudança, com a saída de Rumo ON para a entrada de Eletrobras ON. A ação da estatal, aliás, foi o destaque da semana, sendo escolhida por três corretoras.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.