bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Tóquio fecha em queda com dólar mais fraco

 Uma onda de vendas de dólares prejudicou exportadores e levou o mercado ao terreno negativo

26 de abril de 2013 | 07h36

As ações na Bolsa de Tóquio fecharam em terreno negativo nesta sexta-feira, uma vez que uma onda de vendas de dólares prejudicou exportadores, como a Bridgestone, ao mesmo tempo em que decepcionantes resultados corporativos levaram a baixas na Advantest, Ibiden, e outras ações.

O índice Nikkei caiu 0,3%, para 13.884,13 pontos, após uma alta de 0,6% da sessão anterior. Na semana, o índice avançou 4,3% e agora acumula ganhos de 34% no ano. Desde o início do rali atual em meados de novembro, as ações subiram 60%.

O volume de negócios desta sexta-feira manteve-se forte em 3,95 trilhões de ações, mas abaixo da marca de 4,3 bilhões. O valor das operações chegou a 2,95 trilhões de ienes.

Com apenas mais um dia de negociação, abril está se preparando para ser um dos meses mais pesados em operações da história do mercado acionário do Japão, com mais de 83 bilhões de ações já negociadas.

Os mercados estarão fechados na segunda-feira e na próxima sexta-feira.

Nesta sexta-feira, o enfraquecimento do dólar ajudou a limitar ganhos de ações, que inicialmente haviam subido após os bons resultados do mercado de trabalho dos EUA. No fim da tarde em Tóquio, o dólar mudava de mãos a 98,70 ienes depois de ter avançado bem acima da marca de 99 ienes.

Antes da abertura do mercado, dados mostraram que o núcleo do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) do Japão caiu 0,5% em março ante o mesmo mês do ano anterior, um pouco pior do que o esperado. Mas o resultado não teve muito efeitos sobre as ações, uma vez que as medidas do Banco do Japão levam tempo para ter impacto sobre estes dados, disse o estrategista Hideyuki Ishiguro, Okasan Securities.

Entre os principais exportadores afetados pela queda do dólar, a Bridgestone caiu 2,1%. As empresas do setor imobiliário também foram alvo de realização de lucros, com a Mitsui Fudosan caindo 2,4% e o Sumitomo Realty & Development perdendo 2,9%.

Várias empresas foram impactadas por decepcionantes resultados corporativos. A Advantest perdeu 7,9% depois de informar um prejuízo líquido e 3,82 bilhões de ienes, pior do que o prejuízo de 2,20 bilhões de ienes de um ano atrás.

A Ibiden declinou 4,2%. Mais cedo, a empresa anunciou que seu lucro operacional no ano fiscal ficou em 5,4 bilhões de ienes, bem abaixo da previsão de 6,5 bilhões de ienes. Segundo a Ibiden, o resultado foi afetado por fracas vendas de componentes de smartphones. A Ibiden é uma fornecedora da Apple.

Por outro lado, outras empresas se beneficiaram de seus resultados. A Japan Tobacco adicionou 2,7% depois que a empresa anunciou a expectativa de um lucro recorde para o atual ano fiscal, ajudado pelo bom desempenho dos negócios no exterior e um iene mais fraco. A Japan Tobacco espera um aumento de 20,8% no lucro líquido, para 415 bilhões de ienes. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.