Tóquio recua 1,6% após alta do iene e queda das bolsas da China

Índice retrocedeu aos mesmos níveis da quarta-feira; taxa deve variar pouco na próxima semana

Agência Estado e Associated Press,

27 de agosto de 2009 | 08h19

A Bolsa de Tóquio registrou queda com realizações de lucros sobre os ganhos recentes, provocadas pelas preocupações com a insistente valorização do iene e a queda das bolsas chinesas nesta quinta-feira, 27. O índice Nikkei 225 baixou 165,74 pontos, o equivalente a 1,6%, fechando aos 10,473,97 pontos, retrocedendo aos níveis de quarta-feira.

 

As preocupações com a economia chinesa se ampliaram depois que o Conselho de Estado da China alertou para o excesso de capacidade em alguns setores. Incertezas sobre a demanda por automóveis nos EUA após o fim do programa "dinheiro por sucata" aumentaram a cautela dos investidores, disse o analista Yukio Takahashi, da corretora Mizuho Securities. "Os players estão avaliando se as tendências de recuperação da economia que estão surgindo são sustentáveis sem o reforço temporário das medidas do governo", afirmou.

 

Ações sensíveis à economia global, como as de siderúrgicas, tradings e empresas de transporte marítimo lideraram a baixa desta quinta-feira. As montadoras e o setor de tecnologia também se enfraqueceram com o dólar bem abaixo dos 94 ienes durante a maior parte do dia. JFE Holdings baixou 3,2% e Itochu caiu 3,1%.

 

Takahashi prevê que o Nikkei oscilará entre 10.200 e 10.600 pontos no restante desta semana. Se não houve surpresas nas eleições gerais de domingo, quando se espera uma vitória esmagadora da oposição, o Nikkei deve permanecer na mesma faixa na próxima semana.

 

Entre os destaques individuais, Nippon Sheet Glass desabou 7,2% após anunciar a saída de seu presidente. Na direção oposta, a Pasona Group, agência de mão-de-obra temporária, disparou 7,6% após anunciar seu novo presidente, o ex-ministro das Finanças Heizo Takenaka. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.