Phill Noble/Reuters - 23/7/2021
Phill Noble/Reuters - 23/7/2021
Imagem Luiz Carlos Trabuco Cappi
Colunista
Luiz Carlos Trabuco Cappi
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Tóquio renova os valores olímpicos

Esporte de alto desempenho reúne analogias com economia sustentável, que alia conhecimento, planejamento, organização, foco, resiliência e criatividade, respeito ao próximo e às regras do jogo

Luiz Carlos Trabuco Cappi*, O Estado de S.Paulo

02 de agosto de 2021 | 05h00

Os Jogos de Tóquio representam um reinício para a humanidade abalada pela pandemia, uma cuidadosa volta às atividades esportivas, respeitados os princípios da vacinação e da ausência de público na maioria dos estádios. Sua mensagem é a de que, mesmo diante das adversidades impostas pela crise sanitária, é preciso confiar e se inspirar. E que a vida não pode parar, é preciso seguir em frente.

Os valores olímpicos encerram lições fundamentais para os mais diferentes campos da vida. Na economia, são paradigmas a seguir para trabalhadores, empresários e dirigentes neste ciclo de retomada do crescimento do Brasil. Em suas singularidades, esta é uma Olimpíada de menos festa, mas com a mesma concentração competitiva. Talvez até mais, porque não existe a energia das torcidas nas arquibancadas.

Nesse ambiente, ressoam um a um os valores apresentados na abertura dos Jogos: excelência, coragem, determinação, inspiração, amizade, respeito e igualdade. Com esses conceitos, podemos conceber sociedades mais justas, solidárias e prósperas. Em torno deles, se ergue a base da nossa civilização, da convivência na diferença, ou seja, o princípio da paz.

Dos primeiros Jogos na Grécia, o berço da moderna civilização ocidental, até os dias de hoje, esses valores se converteram no fundamento para uma coexistência firmada no espírito do desenvolvimento humano baseado nos pilares da agenda ESG (respeito ao meio ambiente, inclusão social e governança pela ética).

Na vida moderna, o esporte olímpico de alto desempenho também reúne analogias com a economia sustentável, que alia conhecimento, planejamento, organização, foco, resiliência e criatividade, respeito ao próximo e às regras do jogo. 

Não é à toa que muitas marcas procuram se associar aos esportes e seus valores. O que faz a diferença no seu desempenho, havendo paridade de meios, são o trabalho em equipe e o esforço individual, somados. Essa simbiose, ao longo da história, foi se impondo, apesar de todas as adversidades, inspirada nos Jogos da Antiguidade, em Olímpia, na Grécia, realizados no ano de 776 a.C, para agradar os deuses. Era um armistício sagrado entre os gregos. 

O idealizador dos Jogos Olímpicos modernos, o francês Pierre de Coubertin, considerava o esporte um elemento pedagógico. Inspirado nas escavações arqueológicas realizadas em Olímpia, entre 1875 e 1881, idealizou um plano que culminou na criação do Comitê Olímpico Internacional (COI), em 23 de junho de 1894, e na realização dos primeiros Jogos Olímpicos da era moderna. Pensando bem, antecipou um tipo de organização de cooperação que hoje regula a ordem mundial, como a ONU, ou o esforço de pensar o progresso, como o Fórum Econômico Mundial.

Ao longo da história, os Jogos Olímpicos já passaram por muitos momentos dramáticos, sofrendo interferências indevidas da política; ao mesmo tempo, foram palco de atitudes e gestos simbólicos das mudanças positivas que ocorreram no mundo. Às modalidades olímpicas tradicionais foram sendo acrescentados os esportes contemporâneos, bem como a democratização do acesso à Olimpíada. 

Esta edição foi rejuvenescida com esportes como softbol, karatê, escalada, skate e surfe. Pela capacidade de atualização às mudanças, podemos chamar Tóquio como a Olimpíada da Juventude e Diversidade. Nunca antes tantos atletas LGBTQIA+ haviam participado das competições. E quebrou-se o recorde de participação feminina, com 49% de mulheres no total de atletas. E o sentimento de que os jogos são um evento de portas abertas ao mundo se confirma com a presença de atletas refugiados. 

Quando as adolescentes Momiji Nishiya, japonesa, e a nossa “fadinha” Rayssa Leal, ambas com 13 anos, conquistaram as medalhas de ouro e prata, respectivamente, no skate street, milhões de adolescentes de todo o mundo, não importa o gênero, a etnia ou a nacionalidade, foram desafiados pelo exemplo e pela esperança a sonharem com a glória olímpica e uma vida melhor. A isso se chama inspiração. 

Tóquio é um retrato da rica diversidade planetária. É mudança e renovação, um símbolo de que podemos vencer a pandemia. 

 

*PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO BRADESCO. ESCREVE A CADA DUAS SEMANAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.