Torós: País não desperdiçou período favorável

O Brasil não desperdiçou o período favorável internacional, ao contrário do que pregam alguns críticos, defendeu hoje o diretor de Política Monetária do Banco Central, Mario Torós. "De 2004 a 2007 vivemos um período de bonança e agora temos um período desafiador", afirmou.De acordo com ele, apesar da crise de crédito internacional atual, o Brasil tem se comportado de maneira consistente."O câmbio flutuante funciona como um estabilizador natural de mudanças, disse ele, acrescentado que a história ensina que o mercado tem sido mais eficiente na administração cambial do que os governos foram. "A despeito dos avanços do País, não temos a pretensão de que o Brasil está imune (à crise). Há canais de transmissão, mas o Brasil está mais preparado para cenários adversos", argumentou.Torós disse também que o Banco Central pretende manter sua postura e monitorar o balanço de riscos do País. Ele salientou que o crescimento brasileiro tem sido alimentado pelo consumo das famílias e da confiança dos consumidores. "Uso a palavra alimentado, que está tão em voga no momento", brincou referindo-se à preocupação global com o comportamento dos preços dos produtos de alimentação. De acordo com o diretor, o Brasil hoje é menos dependente do cenário externo e esse é mais um fator de compensação à desacelaração global.Torós enfatizou que o Brasil não está à margem desse quadro internacional, mas tem conseguido resultados relativamente positivos por causa da opção pelo tripé responsabilidade fiscal, câmbio flutuante e metas de inflação. Ele salientou ainda que nos últimos cinco anos, a relação dívida/PIB caiu 15 pontos porcentuais, ou 25%, e que a dívida interna cambial foi eliminada, acabando com uma forte vulnerabilidade do País.Torós participa hoje em São Paulo do Alternative Investment Summit Brasil 2008, evento voltado para a indústria de fundos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.