Paulo Braz/Tishman Speyer
Paulo Braz/Tishman Speyer

Torre de vidro leva atualidade a Nova Lima

Cidade da região metropolitana de Belo Horizonte ganha prédio arrojado e sustentável

O Estado de São Paulo, Redação

29 de agosto de 2019 | 12h33

Com 170 metros de altura, o edifício Concórdia Corporate é considerado a maior torre de estrutura metálica do Brasil, segundo a Tishman Speyer, responsável pelo empreendimento localizado em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, juntamente com a Construtora Caparaó.

“Com projetos arquitetônico e construtivo arrojados, foi concebido com alto padrão de sustentabilidade, certificação ambiental LEED Gold e utilização de um sistema estrutural misto de concreto e aço. A obra foi executada rigorosamente dentro do prazo de 19

meses, sem registro de acidentes”, segundo a avaliação do júri do Master Imobiliário, que premiou o Concórdia na categoria Empreendimento - Comercial.

O Concórdia foi erguido, lembra o júri, com 31 pavimentos, é servido por 16 elevadores, possui heliponto e 788 vagas de estacionamento em oito subsolos. No térreo, há um mall com quatro lojas e um restaurante, auditório para 240 lugares e centro de convenção. No visual, o destaque é a fenda que sobressai em cada uma das suas quatro fachadas de vidro. 

“Fizemos o prédio porque Belo Horizonte carecia de um empreendimento de alta qualidade”, afirma o presidente da Tishman, Daniel Cherman. “Com ele, levamos um novo conceito de edificação.”Na visão dos jurados, o edifício, com seus 60 mil m² de área

construída, possui formas elegantes que se destacam na paisagem urbana da região.  O projeto harmonizou, na visão da comissão julgadora, arquitetura contemporânea de forte impacto visual, com espaços internos bem dimensionados e infraestrutura

adequada, a escritórios de padrão superior, espaços dedicados a lojas, auditório e Restaurante. 

“O pórtico do térreo, o paisagismo e os espelhos d’água complementam a composição visual do empreendimento de características singulares e com certificação de sustentabilidade”, diz o voto do júri.

Cherman considera o Concórdia, que foi entregue no fim do ano passado, um empreendimento pioneiro na região, por possuir “características mais internacionais”. Ele diz que o mercado agora está percebendo as diferenças e qualidades do projeto. “Acreditamos que as empresas, à medida que vão entendendo o projeto, reconhecem que não é uma questão de luxo, mas de eficiência”, afirma.

De acordo com ele, inicialmente a ideia é alugar as salas comerciais e vendê-las somente no longo prazo. Cherman afirma que as companhias locais já começam a reconhecer as qualidades do projeto, fato que para ele demonstra que a estratégia foi acertada /C. M.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.