Banco Central
Banco Central

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Total de instituições habilitadas para o sistema Pix chega a 677, diz BC

Cadastramento de chaves dos usuários da ferramenta instantânea de pagamentos começa hoje; sistema vai operar em novembro

Fabrício de Castro e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2020 | 05h00

BRASÍLIA – O Banco Central habilitou 677 bancos, fintechs e cooperativas para o lançamento do Pix, nova ferramenta de pagamentos instantâneos criada pela instituição. Até o início da noite da última quinta-feira, o BC havia publicado o aval para apenas 11 instituições começarem a operar o novo sistema de pagamentos.

O prazo para a instituição conseguir permissão para participar da primeira fase de cadastramento das chaves dos usuários do Pix acabou na última sexta-feira. Já o processo de cadastramento das chaves dos clientes interessados em utilizar o sistema começa hoje. 

Nos últimos dias, várias instituições abriram cadastros prévios, mas a efetivação tem início a partir desta segunda-feira. Para isso, porém, as instituições precisam de aprovação. Em 16 de novembro, o Pix começa efetivamente a operar.

Dentre os cinco maiores banco do País, o Bradesco recebeu o aval na quarta-feira para operar o Pix, enquanto Banco do Brasil, Itaú e Santander foram autorizados na quinta-feira à noite. A Caixa Econômica Federal foi a última a entrar na lista, na sexta-feira passada.

Essas instituições já vinham trabalhando para atender às exigências do Banco Central e passar por testes de estresse, que buscam avaliar se elas estão preparadas para suportar determinado volume de pagamentos por segundo. Esses testes são importantes para garantir a efetividade e a segurança do Pix.

O sistema, que já tem similares em outros países, vai ser usado para permitir pagamentos e transferências bancárias em tempo real.

Os grandes agentes financeiros são obrigados a aderir, mas a ferramenta atraiu um número expressivo de cooperativas, fintechs e financeiras.

A chave de usuário é como um apelido para identificar as contas do Pix. O cliente pode cadastrar um número de celular, e-mail, CPF, CNPJ ou um EVP (uma sequência de 32 dígitos a ser solicitado no banco).

De acordo com Leandro Vilain, diretor executivo de Inovação da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), o sistema faz parte de medidas importantes para reduzir a necessidade de circulação de dinheiro em espécie, “que tem custo de logística de R$ 10 bilhões ao ano”.

As instituições que ainda não foram aprovadas precisarão cumprir as exigências da instituição até o dia 16 de novembro, ou poderão ser penalizadas. Pela Resolução BCB n.º 1, publicada no dia 12 de agosto, o Banco Central prevê a aplicação de multa por dia de atraso na entrada em operação do Pix.

Ao Estadão/Broadcast, o BC alegou, por meio de nota, que tem “conduzido com êxito, dentro dos prazos por ele fixados e determinados aos participantes, todos os testes necessários para garantir a segurança e a operação do sistema”.

“O processo de homologação estará concluído dentro da previsão estabelecida pelo BC. Os participantes estarão aptos a oferecer o Pix aos usuários no prazo, conforme previsto”, completou o BC. / COLABOROU DOUGLAS GAVRAS, DE SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.